Carreira

Saiba quais serão as carreiras mais promissoras no futuro

Especialistas elegem as oito profissões mais requisitadas nos próximos anos

Por: Sérgio Quintella e Thais Reis Oliveira - Atualizado em

Quem acompanha de perto a variação das ofertas de vaga em diferentes setores do mercado e a oscilação dos índices de candidatos por vaga nos cursos universitários já conhece o fenômeno. De tempos em tempos, determinadas carreiras ganham mais projeção em relação a outras, atraindo maior atenção dos estudantes.

Nos anos 70, por exemplo, as faculdades de engenharia costumavam concentrar uma bela fatia da procura. Na década seguinte, a preferência recaiu sobre disciplinas ligadas à comunicação. Em anos recentes, a tecnologia da informação angariou muitos seguidores. Vários fatores contribuem para essas transformações, quer sejam investimentos estatais em ramos específicos da economia, quer mudanças de comportamento na sociedade.

O crescimento do número de vagas nas universidades públicas e privadas — de 1,3 milhão para 6,7 milhões em trinta anos — aumentou a concorrência de gente com diploma na praça, mas ainda há muitos campos a ser explorados. Com o envelhecimento da população, por exemplo, setores como saúde e nutrição devem ganhar mais visibilidade em um futuro próximo.

Outro segmento que deve se destacar é a especialização para atendimento ao cliente. “Brevemente, não existirão mais vendedores sem conhecimento formal na área”, prevê a consultora Daniela Ribeiro, gerente sênior da empresa de recrutamento Robert Half. Veja a seguir esses e outros setores em alta.

Profissões do futuro: engenheiro genético
Engenheiro genético pode atuar na detecção de doenças (Foto: Atílio)

1) Engenheiro genético

O avanço da medicina somado à detecção cada vez mais precoce de doenças e síndromes deve ampliar o leque de atuação dos geneticistas. O profissional que pesquisa e manipula as estruturas de DNA de seres vivos será requisitado em clínicas particulares, laboratórios, empresas agropecuárias, institutos públicos da área da saúde, indústrias farmacêuticas e universidades. Entre outras funções, ele pode produzir vacinas, medicamentos, e sementes modificadas, além de atuar no aperfeiçoamento de espécies e na identificação de características hereditárias.

Outro ramo promissor é o aconselhamento a casais que enfrentam problemas de fertilidade. Por enquanto, nenhuma universidade brasileira oferece graduação específica em engenharia genética. Para seguir a profissão, o interessado precisa cursar a faculdade de medicina (com duração de seis anos) ou de biologia (quatro anos) e depois ingressar em uma pós-graduação na área.

Vinte respostas para dilemas que os pais enfrentam ao educar os filhos

Profissões do futuro: programador de software
Programador de software: mais ferramentas e com menor custo (Foto: Atílio)

2) Programador de software

O abismo entre a demanda do mercado e a oferta de desenvolvedores faz com que os estudantes comecem a aprender programação cada vez mais cedo. “Há alguns anos, as multinacionais queriam atrair adolescentes“, explica Daniel Clessi, sócio de uma escola especializada em alfabetização digital. “Agora, elas já estão atrás das crianças”, completa.

Uma pesquisa da Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro calcula que o Brasil vai precisar de 408 000 profissionais do ramo em 2020, oito vezes mais que a força de trabalho atual.Para fazer carreira no mundo corporativo, o especialista em TI precisa criar ferramentas e resolver problemas de forma mais econômica. Os cursos universitários da área são sistemas de informação e ciências da computação.

Especialistas dão dicas a quem pretende investir no ensino a distância

3) Consultor financeiro pessoal

No futuro, mais pessoas vão trabalhar de forma autônoma, sem garantia de renda fixa mensal. Além disso, as taxas de juros oferecidas pelos bancos tendem a baixar nos próximos anos, comprometendo a rentabilidade de poupanças e outros investimentos de perfil conservador. Esse cenário vai evidenciar a importância de especialistas que mantenham nos eixos a saúde econômica das famílias. Reorganizar orçamentos, poupar e investir são funções do profissional.

Por gerir as finanças da vida dos clientes, ele terá de lidar com questões pessoais e compreender que as emoções podem afetar as decisões. “Nos Estados Unidos, esse papel é tão importante como o médico da família“, diz a consultora Letícia Camargo. “Algo parecido vai ocorrer por aqui.”

Além de um curso superior, para entrar no ramo é preciso ser homologado por órgãos como o Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF).

Escolas da capital misturam brincadeiras às lições teóricas

4) Analista de marketing digital

Ele cuida de, entre outras atividades, campanhas publicitárias em sites de busca ou redes sociais. Cabe a ele verificar qual foi a receptividade dos produtos junto aos internautas e analisar o retorno que a marca alavancou por meio de cliques, curtidas ou compartilhamentos. Com isso, saberá calcular os investimentos necessários para ações futuras. Sua formação primária deve ser em comunicação ou ciências exatas.

5) Auditor

Os códigos de conduta e as regras internas de gestão das companhias vêm sendo aprimorados, sob forte vigilância da sociedade, cada vez menos tolerante a desvios éticos. No Brasil, os recentes escândalos de corrupção na política jogaram ainda mais holofotes sobre a importância do profissional responsável por formular as normas e garantir o cumprimento de processos e regulamentações dentro de uma empresa. Especialistas nessa área no país tendem a ser graduados em administração, ciências contábeis, economia ou engenharia de produção.

Profissões do futuro: nutricionista da terceira idade
Longevidade da população fará os nutricionistas atuarem com foco em idosos (Foto: Atílio)

6) Nutricionista

Trata-se de uma carreira que recebeu atenção nos últimos anos devido ao crescimento do interesse das pessoas por uma alimentação saudável. Mas outra variável no horizonte é o aumento da longevidade da população. Essa situação está levando à criação de um nicho específico, o dos profissionais dedicados aos idosos.

O foco será a adaptação às mudanças típicas do processo de envelhecimento. Com a dentição mais fraca, a locomoção comprometida e as funções digestivas, gástricas e intestinais reduzidas desses indivíduos, os profissionais deverão traçar estratégias para que seus clientes continuem se alimentando de forma correta.

As universidades do país já disponibilizam cursos de graduação em nutrição há décadas. Trata- se de uma disciplina bem disseminada. No caso específico da terceira idade, no entanto, o campo ainda é reduzido. A Universidade de São Paulo (USP) oferece desde 2009 um curso para pessoas interessadas em se especializar nesse segmento. As aulas são ministradas no Hospital das Clínicas, vizinho à Faculdade de Medicina da instituição.

7) Vendedor técnico

O aumento da concorrência e da competitividade vai valorizar mais os profissionais especializados em vendas. Para alavancar o volume de negócios, a empresa precisará de funcionários altamente técnicos. Isso vale para todos os setores, do varejista ao industrial.

No futuro, não haverá mais espaço para aquele empregado que não conhece o produto, não possui inglês fluente e, principalmente, tenha formação escolar deficiente.As companhias serão mais enxutas e darão espaço em seu quadro apenas para pessoas de negócios com especialização acadêmica.

“Hoje em dia, a maioria dos funcionários aprende o ofício na prática, e isso é ruim, pois os vícios já vêm incluídos nesse pacote“, avalia o administrador Enio Klein, especialista no ramo e professor da Business School São Paulo. Localizada na Avenida Paulista, a entidade é uma das várias escolas que oferecem cursos de aperfeiçoamento para profissionais da área.

Ferramentas para celulares são novas aliadas para vestibulandos

8) Gestor de meio ambiente

Sua função é garantir o uso racional de recursos naturais. Alguns exemplos de atividades: desenvolver e implementar programas de educação ambiental, analisar o impacto das ações humanas sobre o solo, a água e o ar e orientar a exploração desses elementos por técnicas menos danosas.

O campo de atuação é bem amplo: é possível trabalhar em áreas florestais degradadas, indústrias, concessionárias de água e energia e em áreas de reserva. Outro nicho promissor é o estudo das destinações possíveis para o lixo e sistemas de reciclagem e coleta de dejetos. Quem tiver formação em direito pode ainda atuar na mediação entre corporações e órgãos governamentais de fiscalização, sustentabilidade e preservação.

Fonte: VEJA SÃO PAULO