Exposições

Nelson Rodrigues recebe homenagem em mostra interativa

Itaú Cultural exibe fotos, documentos pessoais, entrevistas e vídeos sobre o dramaturgo

Por: Jonas Lopes - Atualizado em

Abre Exposições 2277 - Ocupação Nelson Rodrigues
Vista geral do Itaú Cultural: os painéis exibem depoimentos em áudio e vídeo (Foto: Ivson)

No ano que marca o centenário de nascimento do escritor pernambucano, a Ocupação Nelson Rodrigues é muito bem-vinda. Sob curadoria de duas parentes — a filha Maria Lúcia e a neta Sônia Muller —, a montagem-tributo, a 13ª mostra da prolífica série realizada pelo Itaú Cultural, segue o bem-sucedido padrão das anteriores e reúne material biográfico raro. Foram compilados fotografias, documentos pessoais e recortes de reportagens, além de frases brilhantes de Nelson (1912-1980) espalhadas pelas paredes. A cenografia de Valdy Lopes Jr. é emoldurada por instalações audiovisuais interativas.

Abre Exposições 2277 - Nelson Rodrigues
O escritor: amplo material biográfico (Foto: Silvestre Silva)

Logo na entrada, o espectador depara com a melhor delas, uma mesa na qual à frente de cada cadeira está o nome de um dos irmãos do autor, inclusive o dele. Ali o visitante faz uso de tablets para saber um pouco mais de cada um dos talentosos integrantes da família, a exemplo de Mário Filho, considerado o pai da crônica esportiva brasileira, e Roberto Rodrigues, cartunista assassinado aos 23 anos na redação do jornal do pai. Trata-se de um contraponto interessante a uma máquina de escrever semelhante à do próprio Nelson, símbolo do passado.

+ Fotos e recortes que fazem parte da "Ocupação Nelson Rodrigues"

+ Dez exposições que não dá para perder

Há outros quitutes na seleção, sobretudo a ampla variedade de depoimentos em áudio e vídeo disposta em painéis. Além do autor de “Asfalto Selvagem e Álbum de Família” em entrevista à romancista Clarice Lispector, aparecem nos monitores figuras como Fernanda Montenegro, Carlos Heitor Cony e o diretor polonês Zbigniew Ziembinski, responsável pela revolucionária primeira encenação de “Vestido de Noiva”, em 1943.

AVALIAÇÃO ✪✪✪

Fonte: VEJA SÃO PAULO