memória

Casas noturnas fecham as portas por vítimas no RS

Em sinal de luto pelas vítimas de incêndio em casa noturna de Santa Maria (RS), algumas boates decidem suspender programação

Por: Redação VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Capa 2225 - Facundo Guerra
O empresário Facundo Guerra na varanda da Lions: balada ficará cerrada em luto pelo incêndio em casa noturna no RS (Foto: Mario Rodrigues)

Casas noturnas de São Paulo anunciaram o fechamento das portas em luto pelas 234 vítimas do incêndio em uma boate em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, na madrugada do último domingo (27). 

Em comunicado no Facebook, os empresários Facundo Guerra e Cacá Ribeiro, sócios e proprietários das boates paulistanas Yacht e Lions, anunciaram que os dois clubes ficam fechados até o dia 3 de fevereiro em luto pela tragéria.

Lions NightClub - Noites
Ambiente da Lions Nightclub, dos sócios Facundo Guerra e Cacá Ribeiro (Foto: Divulgação)

Em nota, o grupo explica que trabalham e tomam todos os cuidados para garantir a segurança do público e diante de uma tragédia como a ocorrida, não há motivos de celebração. "Só através desse silêncio de uma semana e do símbolo representado por nossas portas fechadas poderemos expressar, ainda que de maneira insuficiente, os nossos pêsames a todos que tanto perderam em Santa Maria", diz o texto.

Após o anúncio de Yatch e Lions, outras baladas também suspenderam a programação desta terça (29). Stúdio SPClash e LAB não vão abrir as portas em solidariedade às vítimas. O empresário Alexandre Youssef, do Studio SP, disse que a casa estuda se suspenderá mais dias de sua agenda.

+ Veja os itens de segurança para se observar na balada

A assessoria de imprensa de Yatch e Lions informou que os sócios não vão falar com a imprensa esta semana e que as duas casas estão dentro da legalidade e cumprem as normas de segurança exigidas.

Em uma recente entrevista para Veja São Paulo, Facundo Guerra, que é de origem argentina, comentou sobre sua preocupação com os espaços utilizados para realização de baladas, citando especificamente o caso do incêndio na boate Cromagnon, que matou 194 pessoas em Buenos Aires, em 2004. "Depois disso, a noite da cidade estagnou e em seguida retrocedeu. Não pode acontecer algo assim em São Paulo", afirmou.

Studio SP Vila Madalena
O Studio SP, na Vila Madalena: casa ainda decidirá se permanecerá fechada por mais dias (Foto: Cida Souza)

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO