Cinema

Filmes que podem ser vistos apenas no Espaço Itaú

Confira o roteiro abaixo

Por: Redação Veja São Paulo - Atualizado em

A Grande Beleza
Cena de "A Grande Beleza" (Foto: Divulgação)

Seis filmes a que você pode assistir na Augusta:

  • Cate Blanchett teve sua atuação formidável recompensada com o Oscar de melhor atriz. Ela interpreta a Jasmine do título, uma mulher que se casou com um investidor rico de Nova York (papel de Alec Baldwin) e levava um dia a dia de compras em lojas de grife. Quando a comédia dramática se inicia, Jasmine está chegando a São Francisco para passar uma longa temporada na casa da irmã, Ginger (papel de Sally Haw kins, que concorreu a melhor atriz coadjuvante). O mundo da socialite desabou. Para explicar como Jasmine perdeu tudo, Allen recorre a fashbacks em seu roteiro original, que também concorreu ao Oscar. Estreou em 15/11/2013.
    Saiba mais
  • Vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Berlim no ano passado, este drama romeno também valeu a Nazif Mujic o troféu de melhor ator. Ele e os demais intérpretes não são profissionais, reforçando, assim, o registro que beira o documental. A trama se passa num remoto vilarejo da Bósnia-Herzegovina e flagra o drama instaurado na família de Nazif. Esse homem ganha a vida desmontando carros quebrados para vender a sucata a um ferro-velho. Recebe pouco dinheiro por isso, mas o suficiente para trazer felicidade para casa ao lado da esposa, Senada (Senada Alimanovic), e das duas pequenas filhas. A mulher, porém, começa a ter dores abdominais e, levada para uma clínica pública, deve fazer uma cirurgia de emergência. Como ela não possui seguro social, começa uma angustiante jornada para salvá-la. Enxuto na duração e incômodo no torturante realismo, o longa-metragem do bósnio Danis Tanovic se diferencia de seus outros trabalhos mais arrumadinhos, como Testemunhas de uma Guerra (2009), O Inferno (2005) e Terra de Ninguém, vencedor do Oscar de melhor filme estrangeiro em 2002. Estreou em 20/3/2014.
    Saiba mais
  • Drama vitorioso do Oscar de melhor filme estrangeiro. De uma plasticidade estupenda, o filme traz um recorte da alta sociedade de Roma, dominada pela breguice e por uma intelectualidade de botequim. Concentra-se em Jep Gambardella (o excelente Toni Servillo) a síntese da decadência. Irônico e ácido, Gambardella, de 65 anos bem vividos e autor de um único livro, faz entrevistas esporádicas para uma revista e mora numa magistral cobertura em frente ao Coliseu. Orbitam em torno dele poucos amigos e muitos sanguessugas. O filme possui o clima onírico das fitas de Fellini e uma alusão ao personagem de Marcello Mastroianni em A Doce Vida. Trata-se de um raro casamento entre a beleza da arquitetura e a riqueza das palavras. Estreou em 20/12/2013.
    Saiba mais
  • Com a indicação ao Oscar 2016, a bela animação paulistana volta às telas. Num universo atolado de animações em 3D, esse desenho revela-se um sopro de renovação e criatividade. Os méritos são do realizador paulistano Alê Abreu (de Garoto Cósmico), que extrai da técnica em 2D, aparentemente simples, traços deslumbrantes e uma explosão de cores. Numa mistura de pintura e colagem, a história segue a trajetória de um menino em busca do pai. Entre suas andanças, o garoto vai parar numa colheita de algodão, onde faz amizade com um tecelão de ponchos. Embora a trama tenha seu encanto, o visual arrebata mais. O diretor não situa a época nem a localização — há referências que vão dos morros cariocas a alguma língua de um país do Leste Europeu. Sem diálogos e movido por uma empolgante trilha sonora percussiva (com a participação de Naná Vasconcelos e Barbatuques), o caminho do pequeno protagonista é cheio de atalhos lúdicos e amargas surpresas. Reestreou em 21/1/2016. Ouvidos atentos: criado para o filme, o rap Aos Olhos de uma Criança leva a assinatura de Emicida e acompanha os créditos finais.
    Saiba mais
  • Terror / Suspense

    Os Pássaros
    VejaSP
    1 avaliação
    (Re)ver um filme de Alfred Hitchcock no cinema é uma daquelas oportunidades que valem a pena agarrar. Sobretudo quando se trata de uma obra-prima em cópia restaurada como esse ainda assustador longa-metragem do mestre do suspense. Lançada em 1963, a fita não perdeu o vigor. Até os efeitos especiais, revolucionários à época, conservam um charme vintage. A história centra-se no casal Mitch Brenner (Rod Taylor) e Melanie Daniels (Tippi Hedren), que sai de São Francisco e vai até Bodega Bay, no norte da Califórnia, para uma visita. O enigma tem início quando, pouco a pouco, os pássaros começam a se rebelar de modo violento. Não há nada para controlá-los e a população, assustadíssima, aponta Melanie como a responsável pelo comportamento das aves. Há cenas memoráveis. Entre elas, a do ataque à escola com as crianças fugindo em disparada e sendo bicadas insistentemente. Extraído do livro da escritora britânica Daphne Du Maurier, o roteiro traz um desfecho misterioso que hoje tende a alimentar mais debates sobre seu fundo psicológico. Cinemark exibi nos shoppings Center Norte, Central Plaza, Cidade Jardim, Eldorado, Granja Vianna, Iguatemi, Market Place, Metrô Boulevard Tatuapé, Metrô Santa Cruz, Mooca Plaza, Pátio Higienópolis, Pátio Paulista, Tamboré e Villa-Lobos. As sessões ocorrem neste sábado (13/6), neste domingo (14/6) e na quarta (17/6/2015). Geração cinema: uma das célebres protagonistas loiras de Hitchcock, Tippi Hedren está com 84 anos, é mãe da também atriz Melanie Griffth e avó de Dakota Johnson, a estrela de Cinquenta Tons de Cinza
    Saiba mais
  • Hayao Miyazaki é o nome mais importante da tradicional animação japonesa. Aos 73 anos, foi pela terceira vez indicado ao Oscar (perdeu para Frozen). O desenho animado traz os belos traços do realizador para acompanhar uma história iniciada após a I Guerra. Começa flagrando o sonho do menino Jiro Horikoshi. Por ser míope, ele não pode ser piloto. Decide, então, seguir o exemplo de seu ídolo, o italiano Caproni, e se tornar um designer de aviões. A história mostra a trajetória do protagonista até a vida adulta — da realização profissional ao reencontro com uma paixão do passado. Bem menos alegórico que os outros filmes de Miyazaki (de A Viagem de Chihiro), Vidas ao Vento tem lançamento apenas na versão original — suas mais de duas horas de duração e os momentos de tristeza e contemplação devem desagradar à criançada. Estreou em 28/2/2014.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO