Polícia

Três cabos do exército são presos com três toneladas de maconha

O caso aconteceu na madrugada deste domingo (28), em Campinas, interior de São Paulo

Por: Veja São Paulo

Policia Civil
Maconha apreendida: os policiais estimam que a carga chege a três toneladas (Foto: Polícia Civil)

Após uma troca de tiros, na madrugada deste domingo (28), cinco pessoas foram presas portando cerca de três toneladas de maconha em flagrante  na rodovia SP-101, na região de Campinas, interior do Estado. Entre os detidos estão três cabos do exército, Higor Abdala Costa Attene e Maykon Coutinho Coelho, do 20º Regimento de Cavalaria Blindado, sediado em Campo Grande. O cabo Simão Raul do mesmo regimento, foi ferido e conseguiu fugir, mas foi capturado mais tarde em um hospital de Limeira.

+ Adolescente é detida nos Estados Unidos por falta de documento

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o esquema foi descoberto após três meses de investigação da 5ª Delegacia da Divisão de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) e do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc). Durante a apuração dos fatos, os policiais descobriram que a carga estaria indo para uma empresa desativada da cidade, que funciona como estacionamento. Os policiais ficaram disfarçados aguardando a chegada da droga.

+ Médica é encontrada amarrada e morta em Búzios

Dentro do galpão, os suspeitos perceberam a movimentação dos policiais do lado de fora. Na tentativa de fuga, os suspeitos ocuparam dois veículos e mais um caminhão do exército. Houve troca de tiros, dois cabos foram presos e afirmam que a droga estava vindo de Campo Grande (MS). Outras duas pessoas foram detidas dentro de um carro. Uma pistola calibre 380 também foi apreendida.

Procurado, o Centro de Comunicação Social do Exército brasileiro confirmou que os três militares estão presos e afirmou que, "diante da gravidade do fato, que desonra a instituição e atinge a nossa sociedade", os cabos serão expulsos do Exército.

Disse ainda que será instaurado um inquérito policial militar para a apuração de todos os fatos e responsabilidades e que se coloca à disposição das autoridades policiais de São Paulo para auxiliar nas investigações.

"A Força Terrestre procederá minuciosa investigação na Organização Militar de onde os militares e a viatura são oriundos, com o objetivo de corrigir procedimentos de segurança, para que falhas desta natureza não voltem a ocorrer", disse o órgão, em nota.

Com Estadão Conteúdo

Fonte: VEJA SÃO PAULO