Esporte

Emerson Fittipaldi comemora 40 anos de seu segundo título da F-1

O piloto chegou em quarto no GP dos EUA, em Watkins Glen, em 6 de outubro de 1974 e conquistou o primeiro título da McLaren

Por: Redação VEJA SÃO PAULO

  • Voltar ao início

    Compartilhe essa matéria:

  • Todas as imagens da galeria:

Na última segunda (6), o primeiro dos 12 títulos da McLaren na Fórmula 1 completou 40 anos. E parte fundamental desta conquista é graças ao talento do ex-piloto brasileiro Emerson Fittipaldi, que sagrou-se bicampeão mundial em outubro de 1974. Ele havia deixado a equipe inglesa Lotus na temporada anterior para fazer parte da McLaren, fundada na Ingraterra naquele ano.

+ Estado do piloto Jules Bianchi ainda é crítico

+ Ex-Fórmula 1, Andrea de Cesaris morre em acidente de moto

Mesmo com o quarto lugar no GP dos Estados Unidos e um duelo direto contra a Ferrari pelo título, Fittipaldi e seu histórico M23 levaram a taça do campeonato.

Entretanto a festa da equipe e do piloto foi ofuscada pela notícia da morte do austríaco Helmuth Koinigg. Ele perdeu o controle do carro depois que um pneu estourou, bateu com violência contra o guard-rail e foi decapitado na batida.

Fittipaldi tornou a enfrentar a Ferrari no ano seguinte, terminando o campeonato derrotado por Lauda. Ao final de 1975, decidiu abandonar uma das melhores equipes do grid para se dedicar ao sonho de fazer uma equipe brasileira vingar no Mundial de F-1, a Copersucar, chefiada por seu irmão, Wilsinho.

+ Acidente grave interrompe o GP do Japão

O título em 1974 não só consagrou Fittipaldi na Fórmula 1 como consolidou a modalidade no Brasil. Após as vitórias, uma nova geração de pilotos brasileiros foram tentar a sorte na Europa.

Emerson Fittipaldi é um dos automobilistas brasileiros mais vitoriosos da história. Além do bicampeonato em 1972 e 1974, foi campeão da CART (Fórmula Indy) em 1989 e bicampeão das 500 milhas de Indianápolis em 1989 e 1993. Ele encerrou a carreira em 1996, depois de um grave acidente no Michigan International Speedway, um circuito dos Estados Unidos.

+ Surfista brasileiro pode ser campeão mundial este mês

Fonte: VEJA SÃO PAULO