Negócio

Casais confeccionam suas alianças em ateliê nos Jardins

A nova mania já chegou a uma parcela de paulistanos endinheirados

Por: Daniel Salles - Atualizado em

Dia da Aliança_capa 2180
Maria Antônia Nunes, com o noivo, Floris Boyen: “Quero uma joia que tenha a minha cara” (Foto: Mario Rodrigues)

Portuguesa radicada em São Paulo há três anos, a consultora em hotelaria Maria Antônia Nunes, de 38 anos, está ansiosa com os últimos preparativos de seu casamento, marcado para daqui a quinze dias. Encomendou seu vestido ao estilista Carlos Miele e embarca na semana que vem para Sevilha, na Espanha, onde recebe os convidados em um hotel cinco-estrelas no qual funciona um dos restaurantes do incensado chef catalão Ferran Adrià. “Não quero um casamento planejado por outras pessoas, mas uma comemoração com a minha cara”, diz ela, com a aprovação do noivo, o belga Floris Boyen, gerente de um hotel em Foz do Iguaçu (PR). Para se sentir “com a mão na massa”, o casal decidiu, inclusive, confeccionar as próprias alianças, nova mania entre uma parcela de paulistanos endinheirados. 

+ Vídeo: passo a passo de como fazer uma aliança

Dia da Aliança - Barbara Guth e Flavio Franco_2180
Os joalheiros Flavio Franco e Barbara Guth: uma oficina por mês (Foto: Mario Rodrigues)

O processo foi supervisionado pelos ourives Barbara Guth e Flavio Franco, donos de uma escola de joalheria e de um ateliê nos Jardins. Casados desde 2005, eles tiveram a ideia de criar ofi cinas exclusivas para noivos. Nasceu assim o Dia da Aliança, que funciona da seguinte maneira: o casal é recebido com champanhe em uma sala decorada com rosas e assiste a uma pequena aula sobre joalheria. Em seguida, ajuda a derreter, a moldar e a lixar o ouro — o acabamento e a incrustação de pedras preciosas são executados pelos ourives. “Os homens são os que mais se encantam com a alquimia”, conta Barbara. Além da decoração e da trilha sonora do evento, os alunos projetam as joias. “Organizar um casamento é sempre uma loucura”, afirma Franco, que promove, em média, uma oficina do gênero por mês. “Esse é um dia exclusivamente para os noivos, durante o qual eles fi cam livres de palpites de familiares e amigos.” O processo todo leva cerca de quatro horas e pode incluir massagem, fotos e café da manhã ou almoço. Custa a partir de 4 500 reais — preço que aumenta de acordo com a complexidade do anel e a quantidade (e o tamanho) das pedras preciosas usadas.

Fonte: VEJA SÃO PAULO