Turismo

CPTM tem passeios de trem como os dos velhos tempos

Objetivo é resgatar o antigo glamour das viagens de trem

Por: Filipe Vilicic - Atualizado em

Andar de trem em São Paulo é, quase sempre, sinônimo de aperto e desconforto. Apenas nos horários de pico, das 6 às 8 horas e das 17 às 20 horas, cerca de 500 000 pessoas usam as seis linhas que cruzam a cidade. Os vagões ficam superlotados. Mas nem sempre foi assim. "Até meados da década de 50, esse transporte era considerado chique", conta Ayrton Silva, gerente de planejamento da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). "Havia carros com poltronas de couro, ar-condicionado e comissários. Nos restaurantes, os homens tinham de usar paletó e gravata." Com o objetivo de retomar um pouco desse glamour, a CPTM promete inaugurar no sábado (28) o Expresso Turístico, um trem da metade do século passado que vai levar os passageiros a cidades do interior. O primeiro passeio aberto ao público está marcado para o dia 14 de março, e a passagem custará 28 reais.

O programa começará com roteiros para Jundiaí. Todos os sábados, o Expresso partirá da Estação da Luz, no centro, e percorrerá, em uma hora e meia, os 60 quilômetros que separam a cidade da capital. No trajeto, três guias turísticos contam curiosidades de algumas paradas e construções que podem ser avistadas pelo caminho. Sobre a Estação Barra Funda, inaugurada em 1890, por exemplo, relatam que foi um pátio ferroviário especializado no transporte de carga de maquinários e de matérias-primas que chegavam às indústrias emergentes.

"Queremos reviver o hábito do turismo ferroviário e valorizar a malha paulista, em torno da qual cresceram vilarejos e indústrias", afirma o secretário adjunto de Transportes Metropolitanos, João Paulo de Jesus Lopes. Em Jundiaí, o turista desce do trem e escolhe entre três pacotes: o cultural, com visita a três museus e ao centro histórico; o rural, por fazendas; e o ecológico, que inclui trilhas na Serra do Japi. No Museu da Companhia Paulista de Estradas de Ferro podem-se conferir acessórios antigos e miniaturas de locomotivas. Além de Jundiaí, há planos de um trajeto para Paranapiacaba, aos domingos.

Fonte: VEJA SÃO PAULO