BARES

Que calor, meu! Onde tomar um chope num dia quente como hoje?

Selecionamos dez bons endereços para matar a “sede” com os amigos quando a temperatura esquenta

Por: Daniel Ottaiano - Atualizado em

Devassa - chopes
Cinco tipos de chope artesanal: Cervejaria Devassa (Foto: Fernando Moraes)

Para muitos paulistanos, a vontade de um drinque com os amigos parece diretamente proporcional às temperaturas registradas na cidade. Sobretudo os que curtem chope. Para essa turma, selecionamos bares que podem ser seu destino num dia de calor como hoje. São eles:

1ª Cervejaria da Mooca A máquina de 3 metros de altura em formato de tanque serve o chope (Brahma) ao preço de 5,20 reais.

Asterix O boteco com mais de 200 rótulos de cerveja no menu serve oito tipos de chope. Uma das opções é o holandês La Trappe Quadrupel (19,50 reais).

Bomm Bar A casa da Mooca serve em sua chopeira de cobre as opções clara (4,80 reais) e escura (5,40) da bebida.

Devassa Bar localizado em Moema possui cinco tipos de chope: a loura (claro), a ruiva (avermelhado), a negra (escuro), a índia (pale ale) e a sarará (de trigo). Os preços variam de 5,10 a 8,50 reais.

Genuíno Boa opção na Vila Mariana para se refrescar com a bebida (3,90 reais), principalmente na varanda arborizada.

Jordão Bar O bar do Tatuapé serve o chope em três tamanhos: na tulipa (4,60 reais e 280 milimetros), na caldeireta (5,50 reais e 340 milimetros) e caneca (7,20 reais e 510 milimetros).

Léo A tradicional casa de setenta anos no centro da cidade sé famosa pela qualidade de seu chope, com temperatura e colarinhos na medida, ao preço de 5,50 reais.

Original O endereço de Moema ficou conhecido pela excelência da bebida, que já levou o prêmio do especial “Comer & Beber” de VEJA SÃO PAULO oito vezes. Tirada de duas máquinas quarentonas, custa 4,90 reais.

Santa Avenida Bar de Santana oferece o chope em uma caldeireta mais alta e estreita, mantendo o colarinho por mais tempo. O preço é de 4,90 reais.

Zur Alten Mühle A casa com jeito de taberna europeia oferece uma bebida bem servida por 5 reais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO