Carreira

Charles Dalla: a voz do professor de Harry Potter

Além de dublar o bruxo Severo Snape nos games, ator já dublou “Power Rangers: Super Legends” e outros jogos

Por: Flora Monteiro

Capa 2274 - Charles Dalla
O dublador Charles Dalla: dificuldade para falar sem gesticular (Foto: Mario Rodrigues)

Na franquia cinematográfica de Harry Potter, o bruxo Severo Snape (interpretado pelo inglês Alan Rickman) tem o temperamento soturno como marca registrada. Dono da voz do personagem na versão brasileira do game “Harry Potter e a Ordem da Fênix”, o ator Charles Dalla compartilha com o professor de Hogwarts somente o timbre grave.

Bem-humorado, o paulistano é formado no curso de composição e regência da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e já realizou dezenas de trabalhos na área, em títulos como “Power Rangers: Super Legends” e “Silent Hil”l. Foi ainda diretor de dublagem do “F1” e técnico de áudio de “Fifa Soccer” e “Pro Evolution Soccer”.

+ Paulistanos transformam paixão por games em profissão

+ Dublador: a voz por trás dos personagens

Acostumado a atuar em seriados e longas-metragens, Dalla vê desafios extras nos jogos eletrônicos. “Nunca sei direito qual é o contexto da cena, porque não a vejo simultaneamente no monitor, como ocorre com a dublagem de filmes”, explica. Na maioria dos casos, ele recebe um roteiro traduzido e é orientado sobre a entonação das frases por meio de marcações como “assustado”, “triste” e “alegre”. Outra dificuldade é falar sem gesticular. “Qualquer movimento do corpo pode emitir som e estragar a gravação.”

Com dez anos de carreira, Dalla procura se manter familiarizado com o universo dos games. E isso significa assumir os controles. “Gasto horas do meu dia desbravando os jogos em que atuei, para aprimorar minha performance, e avaliando outros em busca de referências”, afirma. Como a maioria dos profissionais do ramo, ele não tem salário fixo. Dubladores costumam ser contratados por trabalho, recebendo entre 100 e 180 reais por hora. Assim, um mês produtivo rende cerca de 5.000 reais.

Fonte: VEJA SÃO PAULO