A opinião do leitor

Cartas sobre a edição 2304

Por: Redacão Veja São Paulo - Atualizado em

 

ASSUNTOS MAIS COMENTADOS

Religião: 78%

Cidade: 5%

Ivan Angelo: 5%

Imóveis: 3%

Outros: 9%

 

Religião

Parabéns a VEJA SÃO PAULO pela ousadia em registrar o curso teológico do senhor Malafaia (“Quem quer ser pastor?”, 16 de janeiro). Fiquei impressionada com o que se tornou o mundo neopentecostal: dinheiro gera dinheiro e cada vez mais dinheiro. Uma tristeza! Sou membro de uma igreja em que os pastores têm remuneração e benefícios suficientes para viver do Evangelho, como ordenou o apóstolo Paulo. Fico curiosa para saber que tipo de mensagem é pregada nos púlpitos por esses novos profissionais do (super)mercado da bênção, em que o milagre comprado se sobrepõe (e muito) à mensagem central das Escrituras. Uma pena!

CLAUDINÉIA REGINA BENTO

Os sacerdotes da mídia, como Silas Malafaia e Edir Macedo, vendem indulgências em troca de riquezas, sucesso e solução de todos os problemas. É inaceitável tanta fraude à luz dos holofotes. Eles ganham salários de até 22 000 reais sempre na informalidade. Não recolhem impostos e nem mesmo colaboram com a previdência social. Ou seja, realizam atos pecaminosos.

JOSÉ LAURO COUTINHO - Presidente do Sindicato dos Ministros Religiosos Evangélicos e Trabalhadores Assemelhados do Estado de São Paulo

Eu me converti em 1992, quando a “profissão” de pastor não era tão atrativa. Atualmente, uma multidão ávida se afirma vocacionada para tal cargo. Por quê? Será realmente vocação divina? E a questão do preparo? Tal responsabilidade requer experiência, conhecimento bíblico e outras competências para lidar com seres humanos complexos. Lamento essa busca frenética pelo pastorado. O despreparo tem gerado frutos amargos. Não é por acaso que está havendo uma quantidade considerável de pessoas que afirmam não pertencer a nenhuma religião.

PEDRO LUIZ DE ALMEIDA

É uma vergonha falar que o amor de Jesus se tornou uma profissão. Ele nos deu tantos ensinamentos. Que tenha piedade dessas pessoas que não conseguem retribuir tudo de lindo que receberam de graça e precisam fazer disso um comércio.

PRISCILA SALGUEIRO

Sou pastor presbiteriano há quase trinta anos. Nem todos os chamados evangélicos pensam igual. Para nós, um pastor é um servo de Deus. Os seminários não são faculdades, mas restritos aos estudantes que vivem quatro ou cinco anos em um ambiente devocional, sem esquecer o apuro no estudo. Poucos recebem mais do que o piso salarial, equivalente a cinco salários mínimos, e não temos nada parecido com “produtividade”. Ensinamos que o dízimo é bíblico, mas ninguém é constrangido a dá-lo. Rejeitamos completamente a ideia de profissão. Não participamos de sindicatos, somos autônomos.

FERNANDO COSTA

Sugiro que seja feito um levantamento sobre a remuneração dos empreendedores de casas noturnas, motéis e bares, sem se esquecer de realizar uma comparação, de modo que, no final, se possa dizer quem deixa mais benefícios para a sociedade.

MÁRCIA CONTRO

Achei muito interessante a reportagem que mostra como alguns líderes evangélicos conduzem o “negócio da fé”. Porém, esquecem-se de que a Igreja tem um único dono e de que é a ele que todos vão prestar contas: Jesus Cristo.

DOUGLAS FLINTO

Quanto aos salários dos pastores, acho muito justo que eles recebam tais valores. Têm uma função difícil, dedicando-se de corpo, alma e espírito ao próximo, resgatando vidas do fundo do poço, de alcoólatras, drogados, bandidos e enfermos. Eu mesmo sou adepto de uma dessas igrejas citadas na reportagem e só tenho a agradecer a meu pastor, pois eu e minha família somos bastantes abençoados e prósperos.

ALEXANDRE VICENTE

 

Cidade

Chocante a imagem de um marmanjo danificando com seu skate um banco recém-instalado na Praça Roosevelt (“Confusão sobre quatro rodinhas”, 16 de janeiro). Mais chocante ainda é o argumento usado, aquele que infelizmente tem sido ouvido com muita frequência: “Temos o direito de nos divertir”. Creio que já passou da hora de explicar a essas pessoas que a cada direito corresponde um dever e que o direito deles de usar o skate termina quando começa o direito de outras pessoas de permanecer em paz e segurança naquele local.

VERA AUGUSTA BERTOLUCCI

Antes da reforma, quem ficava na praça enquanto estava claro (porque não era iluminada) eram os skatistas. Durante a noite, eram os mendigos. Sobre o barulho à noite, não é estranho a quem mora lá, pois no fim da esplanada fica a Rua Augusta, que está longe de ser um lugar tranquilo. O skate é uma atividade de lazer que ocupa os jovens com algo construtivo. Os praticantes também são cidadãos.

ADRIANO DELFINO

Um guarda-civil metropolitano corre o risco de ser exonerado por ter imobilizado, e não agredido, um skatista, comprometendo o sustento de sua esposa e filhos. É mais uma prova de que neste país a corda sempre arrebenta do lado mais fraco. O policial não errou sozinho, pois, desde quando a praça foi inaugurada, ficou claro que a falta de normas para o uso estava trazendo transtornos a todos os cidadãos que frequentam o lugar. Na verdade, o erro começou no projeto de reforma, porque o tipo de pavimento propiciou que a área se tornasse sobretudo uma pista de skate.

ANDRÉ RICARDO POLASTRI

 

Imóveis

Achei ótima a reportagem “Varandas incrementadas” (16 de janeiro). A sacada do meu apartamento é, de fato, o lugar mais agradável da casa. Justifica-se que as construtoras valorizem esse espaço, mas somente no caso dos imóveis residenciais. Atualmente, quando se procura uma área comercial, a maioria dos lançamentos tem uma injustificável varanda. Se quero uma sala para um consultório médico, o que faço com esse espaço? Churrasco? Ponho uma rede?

AUGUSTO PARANHOS JR.

 

Cinema

Fiquei surpreso com a avaliação do filme O Som ao Redor (16 de janeiro). Classificá-lo apenas com uma estrela não faz jus à qualidade da obra. Os atores cumpriram bem seu papel e o som é de inegável qualidade — fato raríssimo no cinema brasileiro —, assim como a imagem.

CARLOS ALBERTO FREIRE

 

Ivan Angelo

Foi hilário e instrutivo o artigo de Ivan Angelo (“O eu como paisagem”, 16 de janeiro). Há mais uma contribuição da corte francesa, de Luís XV, que disse: “Depois de mim, o dilúvio”.

LEILA DE OLIVEIRA

 

Correção: ao contrário do que foi publicado na legenda da página 75 da reportagem “Segredos de verão” (28 de novembro de 2012), a foto de Moreré não retrata uma das varandas da Villa Boypeba, mas sim o hotel Alizées Moreré.

 

ESCREVA PARA NÓS

E-mail: vejasp@abril.com.br

Cartas:Caixa Postal 14110, CEP 05425-902, São Paulo, SP

As mensagens devem trazer a assinatura, o endereço, o número da cédula deidentidade e o telefone do remetente. Envie para Diretor de Redação, VEJA SÃO PAULO. Por motivos de espaço ou clareza, as cartas poderão ser publicadas resumidamente

Atendimento ao leitor: (11) 3037-2541

Sobre assinaturas: (11) 5087-2112

Atenção: ninguém está autorizado a solicitar objetos em lojas nem a faze rrefeições em nome da revista a pretexto de produzir reportagens para qualquer seção de VEJA SÃO PAULO

Fonte: VEJA.COM