Memória

A história do "japonês paulistano" que combateu na II Guerra Mundial

Livro baseado em episódios reais conta o romance entre uma carioca e um nikkei, um dos 25 000 pracinhas que embarcaram para a Itália

Por: Ana Carolina Soares

amor entre guerras
O cabo Yamada (à frente do grupo): a trajetória inspirou o romance 'Amor entre Guerras' (Foto: Arquivo pessoal família Yamada)

O relacionamento improvável entre um japonês que lutou na Força Expedicionária Brasileira (FEB) e uma jovem carioca deu origem a Amor entre Guerras (Editora Planeta, 320 páginas, 34,90 reais), romance baseado em episódios reais. O livro da jornalista Marianne Nishihata narra a história de Alberto Tomiyo Yamada e Ilma Faria. Os dois se conheceram na estação de trem de Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo, em dezembro de 1940.

+ Os melhores bares japoneses da cidade

Depois de três anos de namoro, Yamada — nascido em Tóquio, mas registrado como cidadão paulistano — foi convocado para lutar pelo Brasil na II Guerra Mundial. Entre os 25 000 pracinhas que embarcaram para a Itália, havia duas dezenas de nikkeis (japoneses ou descendentes que vivem fora do país de origem). “Esses rapazes lutaram do lado contrário ao do país de seus pais e avós, divididos entre a farda e as origens”, diz Marianne.

+ Três comidinhas bem diferentes para provar na Feirinha da Liberdade

A ficção surge em alguns capítulosdo romance, a exemplo do pedido de noivado no Parque da Luz. Mas a autora mantém os fatos históricos, como a coragem (e também o despreparo) da tropa brasileira durante as batalhas, o medo do nipo-brasileiro de ser confundido com um inimigo e a paixão que venceu o preconceito e a rivalidade.

livro Mari 2
“Esses rapazes lutaram dolado contrário ao do país de seus pais e avós, divididos entre afarda e as origens”, diz a jornalista Marianne Nishihata, autora da obra (Foto: Arquivo pessoal família Yamada)

Fonte: VEJA SÃO PAULO