Rodrigo Merli, promotor do Caso Mércia, diz ter trunfos para 2013

Três testemunhas inéditas podem ajudar a condenar os culpados do assassinato

Faz quase três anos que a advogada Mércia Nakashima foi encontrada morta em uma represa de Nazaré Paulista. Para o julgamento, em 11 de março, o promotor Rodrigo Merli confia em alguns trunfos para obter a condenação dos cúmplices suspeitos de realizar o crime — o ex-namorado dela, Mizael dos Santos, e o vigilante Evandro Silva (que se dizia culpado, mas recuou) —, como três testemunhas inéditas.“Um advogado confirmará que o vigia não confessou sob tortura, conforme afirma”, adianta Merli.

Ré em outra história de arrepiar, Elize Matsunaga, acusada de matar e esquartejar o marido, também poderá ser levada ao tribunal até o fim de 2013.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s