publicidade

Especial

Quadro: "Operários", de Tarsila do Amaral

Obra exibe a força do estilo da artista ao retratar a diversidade cultural da população paulistana

21.jan.2011 por Jonas Lopes

Nascida em Capivari, no interior do estado, Tarsila do Amaral (1886-1973) cumpriu um papel fundamental na linha do tempo da arte brasileira. A boa posição financeira herdada da família permitiu a ela viajar para a Europa várias vezes para estudar. Em uma dessas viagens, em 1923, ao lado do namorado Oswald de Andrade, travou contato com a vanguarda em uma Paris efervescente. A influência marcou sua produção. “Operários”, a obra mais votada pelos especialistas ouvidos por VEJA SÃO PAULO, foi pintada somente em 1933 (pertence hoje ao acervo do governo estadual), mas exibe a força do estilo de Tarsila ao retratar a diversidade cultural da população paulistana e, ao fundo, chaminés e fábricas em formas geométricas. A artista estava engajada na esquerda desde que visitara a União Soviética. "'Operários" é um marco porque consegue traçar um paralelo perfeito entre o tema proposto na tela e a grande revolução industrial na qual São Paulo estava envolvida naquele momento”, diz a historiadora da arte e curadora Maria Alice Milliet. “Tarsila consegue ainda dar conta da forte imigração. Muitos povos diferentes aparecem ali”, completa o crítico e professor de filosofia medieval da USP Lorenzo Mammì. Outros trabalhos de Tarsila do Amaral foram lembrados pelo júri, a exemplo de “A Negra” (1923) e “São Paulo” (1924). Sobre o último, o diretor executivo da Pinacoteca, Marcelo Araujo, destaca a união da identidade local com as vanguardas estrangeiras, em busca de uma personalidade própria: “É o que a cidade continua fazendo até hoje”.

+ Veja mais personagens marcantes da cidade 

Tarsila do Amaral: papel fundamental na arte brasileira
Tarsila do Amaral: papel fundamental na arte brasileira
(Foto: Amilton Vieira)

VOTARAM

Emanoel Araújo, escultor e diretor do Museu Afro Brasil

Lorenzo Mammì, crítico e professor de filosofia medieval da USP

Marcelo Araujo, diretor executivo da Pinacoteca do Estado

Maria Alice Milliet, historiadora da arte e curadora

Paulo Herkenhoff, crítico e curador

Paulo Pasta, pintor

 

publicidade

Avaliação de VEJA SP

Não foi avaliado

Avaliação de VEJA SP

Péssimo

Avaliação de VEJA SP

Fraco

Avaliação de VEJA SP

Regular

Avaliação de VEJA SP

Bom

Avaliação de VEJA SP

Muito bom

Avaliação de VEJA SP

Excelente

Avaliação dos usuários

Ainda não foi avaliado

Avaliação dos usuários

Péssimo

Avaliação dos usuários

Fraco

Avaliação dos usuários

Regular

Avaliação dos usuários

Bom

Avaliação dos usuários

Muito bom

Avaliação dos usuários

Excelente

Avaliação do usuário

Péssimo

Avaliação do usuário

Fraco

Avaliação do usuário

Regular

Avaliação do usuário

Bom

Avaliação do usuário

Muito bom

Avaliação do usuário

Excelente

Péssimo

Fraco

Regular

Bom

Muito bom

Excelente

Comente

Envie por e-mail