Especial

Quadro: "Operários", de Tarsila do Amaral

Obra exibe a força do estilo da artista ao retratar a diversidade cultural da população paulistana

Por: Jonas Lopes

Operários, de Tarsila do Amaral - capa 2201
Tela pintada em 1933: retrato da nossa gente | Crédito: Romulo Fialdini

Nascida em Capivari, no interior do estado, Tarsila do Amaral (1886-1973) cumpriu um papel fundamental na linha do tempo da arte brasileira. A boa posição financeira herdada da família permitiu a ela viajar para a Europa várias vezes para estudar. Em uma dessas viagens, em 1923, ao lado do namorado Oswald de Andrade, travou contato com a vanguarda em uma Paris efervescente. A influência marcou sua produção. “Operários”, a obra mais votada pelos especialistas ouvidos por VEJA SÃO PAULO, foi pintada somente em 1933 (pertence hoje ao acervo do governo estadual), mas exibe a força do estilo de Tarsila ao retratar a diversidade cultural da população paulistana e, ao fundo, chaminés e fábricas em formas geométricas. A artista estava engajada na esquerda desde que visitara a União Soviética. "'Operários" é um marco porque consegue traçar um paralelo perfeito entre o tema proposto na tela e a grande revolução industrial na qual São Paulo estava envolvida naquele momento”, diz a historiadora da arte e curadora Maria Alice Milliet. “Tarsila consegue ainda dar conta da forte imigração. Muitos povos diferentes aparecem ali”, completa o crítico e professor de filosofia medieval da USP Lorenzo Mammì. Outros trabalhos de Tarsila do Amaral foram lembrados pelo júri, a exemplo de “A Negra” (1923) e “São Paulo” (1924). Sobre o último, o diretor executivo da Pinacoteca, Marcelo Araujo, destaca a união da identidade local com as vanguardas estrangeiras, em busca de uma personalidade própria: “É o que a cidade continua fazendo até hoje”.

+ Veja mais personagens marcantes da cidade 

Tarsila do Amaral - capa 2201
Tarsila do Amaral: papel fundamental na arte brasileira | Crédito: Amilton Vieira

VOTARAM

Emanoel Araújo, escultor e diretor do Museu Afro Brasil

Lorenzo Mammì, crítico e professor de filosofia medieval da USP

Marcelo Araujo, diretor executivo da Pinacoteca do Estado

Maria Alice Milliet, historiadora da arte e curadora

Paulo Herkenhoff, crítico e curador

Paulo Pasta, pintor

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO