Paulistanos Nota 10

Projeto treina alunos da escola pública para olimpíadas de matemática

Aos 14 anos, o estudante Henrique Vaz criou o VOA! para ajudar estudantes sem oportunidades a conquistarem os seus sonhos 

Por: Ricardo Rossetto - Atualizado em

Henrique Vaz e Soiane Vieira_paulistanos nota 10
O estudante Henrique Vaz, idealizador do projeto, e sua mãe, a advogada Soiane Vieira  (Foto: Lucas Lima)

Na manhã do último domingo (16), a estudante Fernanda Souto, de 14 anos, apareceu de surpresa na sala de seus ex-professores para fazer um agradecimento. As aulas cursadas ao longo do ano passado foram fundamentais para que ela ganhasse uma bolsa de estudos integral no ensino médio do prestigiado Colégio Etapa, cuja mensalidade custa 2 653 reais — valor que sua família não poderia bancar. Seus tutores, no entanto, não são decanos de cabelos brancos e larga experiência acadêmica, mas garotos que mal atingiram a maioridade, entre eles o também estudante Henrique Vaz, de 18 anos. Ele é o mentor do projeto Vontade Olímpica de Aprender (VOA!), criado em 2010 para treinar gratuitamente alunos da rede pública de ensino interessados em disputar olimpíadas nacionais de matemática. Os pupilos com melhor desempenho acabam premiados com mais do que medalhas, como foi o caso de Fernanda. “O VOA! é o grande responsável pela minha conquista”, agradece a garota.

No começo da iniciativa, quando ainda tinha 14 anos de idade, Henrique contou com o apoio de sua mãe, Soiane Vieira, que sempre o incentivou a dedicar parte do seu tempo para ajudar os outros. Soiane ajudou a encontrar o espaço adequado para as aulas, na Escola Estadual Maestro Fabiano Lozano, na Vila Mariana, e a conseguir um patrocínio do Rotary Club para bancar o custo anual, que gira em torno de 10 mil reais (para pagar o material usado em aula, xerox, camisetas do projeto e lanches). Após iniciar a empreitada sozinho, hoje Henrique divide a tarefa de explicar as lições com outras vinte pessoas, entre amigos e professores do Etapa. As premiações vieram logo no primeiro ano, e Henrique percebeu o potencial transformador do projeto. “O objetivo não era só ganhar medalhas, mas desenvolver o raciocínio lógico que alterava toda a vida dos alunos. Criamos a cultura do estudo para mostrar que vale a pena lutar por seus sonhos”, diz . No total, mais de 1 100 jovens já passaram pelo VOA!, e as turmas são divididas em quatro salas de diferentes níveis, para que todos tenham o melhor rendimento possível. Entre seus alunos de destaque estão Anderson Otsuka, medalhista de prata em uma olimpíada realizada em 2011, e Lucas Nascimento, bronze em 2012, além de diversas outras menções honrosas. 

Ao mesmo tempo em que o curso acontece, nas salas ao lado, os pais dos alunos podem participar de debates sobre temas que eles tenham vontade de entender melhor, como maioridade penal. O objetivo é fazer com que toda a família tenha um crescimento. Agora, o próximo passo de Henrique é abrir turmas para o ensino de português. Um plano que talvez precise ser adiado: em agosto ele irá aos Estados Unidos para cursar Ciências Políticas e Economia na Universidade Harvard. No período em que estiver fora, o VOA! será mantido por seus colegas e estudantes que já passaram pelo curso e que irão voltar para ajudar quem precisa. "Pessoas que tiveram suas vidas transformadas, agora irão transformar vidas. O projeto é um dos caminhos possíveis para melhorar a qualidade da escola pública", acredita Vaz.

As aulas acontecem todos os domingos, das 10h às 12h30, de março à outubro. Os interessados podem se inscrever através do site: www.projetovoa.org

 

Fonte: VEJA SÃO PAULO