Habitação

MTST faz manifestação por terreno ocupado no Morumbi

Espaço invadido fica ao lado de condomínio de luxo do bairro; já foram registrados conflitos entre moradores e ocupantes

Por: Veja São Paulo - Atualizado em

MTST - Morumbi- Jardim Colombo
A nova ocupação do MTST em Jardim Colombo, região do Morumbi (Foto: Reprodução Facebook)

Cerca de 900 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST) invadiram um terreno no Jardim Colombo, no Morumbi, no último sábado (6) e prepararam para esta quinta (11) uma manifestação a partir das 17h.

Em sua página no Facebook, o MTST afirma que a área de aproximadamente 30 000 metros quadrados estava abandonada, sendo assediada pelo setor imobiliário. Ainda de acordo com o movimento, o objetivo da ocupação é garantir a destinação do espaço para a construção de habitações populares. 

+ Moradores de favelas do Morumbi demarcam seu espaço em ocupação

+ Primeiro terreno ocupado pelo MTST no Morumbi é desocupado

O local ocupado fica ao lado de um condomínio de prédios de luxo na região. A invasão irritou os moradores dos apartamentos. Segundo depoimentos, os membros do MTST estão desmatando toda a região e ocuparam uma parte de manancial, o que traz riscos para os vizinhos.

Foram registrados ainda momentos de conflito entre os ocupantes e os moradores dos apartamentos, que chegaram a disparar rojões contra os sem-teto, que revidaram com pedras e chegaram a fechar a entrada do condomínio como forma de protesto. 

MTST - Morumbi - Jardim Colombo
Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto ocuparam terreno no Morumbi na madrugada deste sábado (6) (Foto: Reprodução Facebook)

A ocupação ocorreu cinco dias após o Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto desocupar a área na Zona Leste que ficou conhecida como Copa do Povo, depois de mais de três meses no local. Após manifestações, o movimento conseguiu que a área seja dedicada para a construção de moradias populares. De acordo com a Polícia Militar, parte do terreno é da prefeitura e o restante é uma propriedade privada.

Fonte: VEJA SÃO PAULO