Teatro

As melhores peças infantis em cartaz

Cinco atrações que conquistam a plateia

Por: Redação VEJINHA.COM - Atualizado em

Chapeuzinho Vermelho - Eduardo Leão
Manuela Figueiredo e Marcelo Diaz: os atores se revezam entre os personagens (Foto: Eduardo Leão e Rodrigo Fonseca)

Veja as peças mais bem avaliadas pela nossa redação:

+ Dicas e atrações para as férias

  • Quando estreou, em 2005, a peça O Ilha do Tesouro causou frisson - era difícil conseguir lugar para acompanhar a divertida aventura. O motivo estava em sua pouco convencional mescla de encenação, interatividade e uma instalação cenográfica de 500 metros feita de madeira, lona e barro. De volta ao cartaz, o espetáculo começa numa taverna na qual o ator Yunes Chami participa da primeira cena com as crianças (obrigatoriamente com mais de 7 anos). Depois, elas entram por um alçapão e partem em busca do tal tesouro. Do outro lado, os adultos presentes viram piratas e também brincam em túneis, labirintos e sequências de lutas de espada até o desfecho, dentro do Teatro do Centro da Terra. Recomendado a partir de 7 anos. Estreou em 14/5/2005. Até 26/6/2016.
    Saiba mais
  • Infantil / Musical

    O Palhaço e a Bailarina
    VejaSP
    2 avaliações
    Eis uma ousadia: O Palhaço e a Bailarina é uma história de amor para o público infantil. Poderia dar (muito) errado, mas funciona graças ao gabarito dos atores envolvidos. Conhecida de musicais como Mamma Mia! e O Fantasma da Ópera, entre muitos outros, a atriz Kiara Sasso assumiu ao lado de Lázaro Menezes a direção e a produção da peça desde o início. Em cena, eles vivem a Bailarina e o Palhaço, que querem se reencontrar após o dono do circo Tombo (o ótimo Marcelo Goes) ter sequestrado a dançarina para deixá-la trancada em uma caixinha de música gigante. Apesar do enredo dramático, não tema declarações melosas ou cenas constrangedoras. Aqui, impera a sutileza, desde as músicas da banda até os singelos passos da Bailarina que enche o teatro com sua voz pra lá de potente. A trama funciona tão bem que até as maldades do vilão merecem algumas gargalhadas. Recomendado a partir de 3 anos. Estreou em 6/3/2016. Até 15/5/2016.
    Saiba mais
  • Na televisão lá dos anos 90, deixar na mão dos espectadores o destino de uma trama era a sacada do programa Você Decide. Para as crianças na plateia de Chiquita Bacana no Reino das Bananas, porém, a brincadeira interativa tem cara de novidade — e das boas. Logo no início, o público escolhe qual papel os treze atores interpretarão nos sessenta minutos seguintes. Dirigido por Dagoberto Feliz, o grupo Folias recria de maneira leve e engraçada o texto escrito por Reinaldo Maia em 1977. Na história, a garota Chiquita se envolve em uma grande encrenca depois de comer uma fruta do Rei Leonino, o líder do Reino das Bananas. Duas girafas, um coelho, um elefante, um exército de macacos e outros animais incrementam o enredo. O desfecho, definido pelas crianças, muda a cada sessão. Mantêm-se sempre o carisma e o talento do elenco. Vestidos de preto e sem cenário elaborado, os atores seguram o ritmo do improviso e conquistam o carinho dos meninos e meninas. Depois dos aplausos, recebem abraços carinhosos que indicam: o final foi feliz. Com Bruno Camargo, Camila Spinella, Clarissa Moser, Gabriel Hirschhorn, Juliana Tedesch, Laruama Alves, Leandro Goulart, Lui Seixas e Marcellus Beghelle, entre outros. Recomendado a partir de 5 anos. Estreou em 12/3/2016. Até 12/6/2016.
    Saiba mais
  • Só de ler o nome do espetáculo, Chapeuzinho Vermelho, bate uma preguiça da velha história? Pois nesta montagem o diretor Eduardo Leão deixa para trás a mesmice. A graça da peça bem acelerada — são apenas quarenta minutos de duração — está em reconhecer a fábula sem precisar ouvir as batidas falas como “Vovó, que olhos grandes você tem!”. A proposta muda dá certo por causa dos ótimos atores, que se desdobram em caras e bocas e arrancam gargalhadas da plateia. A protagonista (Manuela Figueiredo) e o vilão Lobo Mau (Marcelo Diaz) se revezam entre muitos personagens e mostram sua versatilidade na pele da Vovozinha e do musculoso Lenhador. A bonita trilha sonora assinada por André Abujamra dá ao espetáculo o tom de conto de fadas, além de acompanhar os amalucados personagens em alguns passos de dança. O fim da história todo mundo já sabe, nem precisa de spoiler, mas, mesmo assim, vale a pena não desgrudar os olhos do palco para aproveitar cada segundo. Recomendado a partir de 3 anos. Estreou em 6/2/2016. Até 26/6/2016.
    Saiba mais
  • Cedo ou tarde, as crianças acabam pedindo aos pais uma mascote. Como resistir aos apelos infantis e à fofura dos pets? Mas nem todas as famílias estão preparadas para a responsabilidade de cuidar de um bicho. Alexandra Golik, da premiada Cia. Le Plat du Jour, aborda o assunto no roteiro de Viralatas — O Musical. Ela dirige a peça e também dá vida a Fif Golden Diamond, uma cadelinha cheia de luxos em casa, mas carente de carinho. As coisas mudam quando ela conhece Zé Latinha (Diego Rodda) e Prego (Marco Barretho), ambos abandonados nas ruas. O encontro rende uma grande enrascada para Fif. Devolvida à pet shop por sua dona, ela precisará ser salva pelos novos amigos num plano bem mirabolante. Entrosados, os atores encaram bem o desafio de interpretar os animais e ainda soltam a voz em canções. Preste atenção na iluminação da montagem, feita por Tom Silva. Em alguns momentos, tanto a plateia quanto o palco se transformam em um bonito céu estrelado. As risadas estão garantidas — e as crianças saem mais conscientes dos cuidados de que os cachorrinhos de estimação precisam. Recomendado a partir de 4 anos. Estreou em 10/10/2015. Até 28/5/2016.
    Saiba mais

Fonte: VEJA SÃO PAULO