GENTE

Guilherme de Pádua: assassino de Daniella Perez mostra rotina no Instagram

Ex-ator, que confessou ter matado a filha da autora Glória Perez, contabiliza mais de 26 000 seguidores na rede social

Por: VEJA SÃO PAULO - Atualizado em

Guilherme de Pádua Thomaz
O ex-ator Guilherme de Pádua: polêmica nas redes sociais (Foto: Reprodução/Instagram)

Condenado por matar a atriz Daniella Perez, filha da roteirista Glória Perez, em 1992, o ex-ator Guilherme de Pádua tem causado polêmica ao exibir sua rotina no Instagram. Em pouco menos de um ano, Pádua contabiliza mais de 26 000 amigos na rede social (@guilhermedepaduathomaz). .

Monica Iozzi se emociona com homenagem a Daniela Perez no Video Show

Seu público, porém, está longe de ser composto apenas por fãs. São frequentes comentários que lembram a morte de Daniella entre as 118 fotos e vídeos compartilhados em seu perfil. "....e ele ainda sorri .....Como pode ser tão cínico.....depois de tirar a vida de uma menina doce e meiga", diz uma seguidora.

Guilherme de Pádua Thomaz
Assassino de Daniella Perez mostra rotina no Instagram (Foto: Reprodução/Instagram)

Pádua viveu um par romântico com Daniella na novela De Corpo e Alma, escrita por Glória Perez. A garota, então com 22 anos, foi estrangulada e teve o corpo desfigurado por dezoito golpes de tesoura horas depois de ter deixado os estúdios da Rede Globo. Pádua confessou o crime e foi condenado a dezenove anos de cadeia - Paulo Thomaz, namorada de Pádua na época, também foi condenada por coautoria no crime.

Em 1999, depois de sete anos na prisão, foi beneficiado pelo regime de liberdade condicional e converteu-se à Igreja Batista.

Guilherme de Pádua Thomaz
Ex-ator tem mais 26 000 seguidores na rede social  (Foto: Reprodução/Instagram)

+ Confira as últimas notícias

Grande parte de sua publicações no Instagram tem conteúdo religioso. A descrição de seu perfil traz a seguinte frase: "Aquele que me CONFESSAR diante dos homens, eu o CONFESSAREI diante do meu pai que está nos céus. Mas o que me NEGAR eu NEGAREI... Mt 10:32-33".

Fonte: VEJA SÃO PAULO