Arte

Galerias alternativas funcionam até dentro de residências

Programe-se para visitar, entre outras, a Casa da Xiclet, que exibe obras no banheiro da artista

Por: Livia Deodato - Atualizado em

Casa da Xiclet
Fachada da Casa da Xiclet, artista plástica que exibe obras de arte por todos os cômodos de sua residência (Foto: Adriana Latorre)

Se você quiser começar a explorar as galerias alternativas da cidade, atenção à primeira dica: verifique o horário de funcionamento de cada uma antes de sair de casa. Se não fizer isso, vai correr o risco de dar com a cara na porta ou, na pior das hipóteses, acordar a dona da galeria e ser atendido com muito mau humor. Foi o que aconteceu quando a reportagem da VEJASAOPAULO.COM resolveu passar de surpresa na Casa da Xiclet, por volta do meio-dia (a casa-galeria só abre às 14h).

Mas não desista. A visita, quando feita em horário adequado, vale muito a pena: a casa da artista capixaba Adriana Xiclet abriga dezenas de obras contemporâneas em diversos cômodos de sua casa-galeria. Atualmente, a casa localizada na Vila Madalena está exibindo trabalhos selecionados pelo 4º Salão dos Artistas Sem Galeria, além de diversos outros, inclusive no banheiro de Xiclet. Há casos de artistas vistiantes que penduram suas obras ali espontaneamente, sem o conhecimento de Xiclet.

Casa Contemporânea
A Casa Contemporânea oferece espaço para peças de teatro e até degustação de vinhos e cervejas (Foto: Divulgação)

Com um perfil mais abrangente, a Casa Contemporânea, na Vila Mariana, é um espaço que oferece desde mostras de teatro, como é o caso de Réquiem para um Rapaz Triste atualmente em cartaz, como também debates sobre produção artística e até degustação de vinhos e cervejas. Para os interessados em exibir suas obras no simpático sobrado, basta enviar um e-mail, aos cuidados da artista e proprietária da casa, Marcia Gadioli, que administra a programação ao lado do arquiteto Marcelo Salles.

Bem pertinho dali, na Aclimação, funciona a Casa Tomada. O sobrado, que atualmente exibe os dizeres "parece que o lugar é aqui" em letras garrafais na fachada, é reservado para "práticas, investigações e reflexões de caráter artístico", nas palavras da diretora Tainá Azeredo. O maior programa da Casa é a residência artística Ateliê Aberto, que oferece espaço para uma troca entre artistas e pensadores da arte, semestralmente. A Casa Tomada só abre quando um de seus seis programas estão em ação. Confira aqui.

Ateliê 397
O quintal na lateral do Ateliê 397 (Foto: Divulgação)

Outros três ateliês alternativos são A Pipa, 397 e Fidalga, que oferecem um mistura de galeria de arte, oficinas, lojinha e até uma casa com quintal lateral (caso da 397). Neles, é possível encontrar um bom espaço para se discutir os rumos da arte contemporânea brasileira.

Fonte: VEJA SÃO PAULO