Dez motivos para...

Dez motivos para visitar o Museu Afro-Brasil no feriado

Por: Orlando Margarido - Atualizado em

1- Para comemorar o Dia da Consciência Negra, o Museu Afro Brasil abre excepcionalmente na segunda (20) e inaugura, às 12 horas, sete exposições. Promove ainda eventos de música e culinária baiana, com entrada gratuita.

2- Um dos destaques é a mostra de fotografias da espanhola Isabel Muñoz. Ela registrou povos africanos que desenham e realizam incisões sobre a pele como parte de sua cultura. Dois vestidos da artista Maribel Doménech, também espanhola, complementam a exibição.

3- O paulistano Gaspar Gasparian (1899-1966) foi um pioneiro da fotografia na cidade ao integrar a turma do Foto Cine Clube Bandeirante. Seu registro do continente africano faz parte de uma seleção de imagens recém-descoberta por sua família.

4- A nova sala permanente Navio Negreiro reúne o esqueleto de um navio, painéis fotográficos, instalação audiovisual, documentos e objetos que relembram a travessia dos escravos entre a África e as Américas.

5- Profissional premiado, o mineiro Eustáquio Neves aborda em três séries fotográficas a cultura afro-brasileira tendo como tema a escravidão e em especial os quilombolas remanescentes.

6- O artista baiano Caetano Dias traz ao museu o material de trabalho mais insólito: suas nove cabeças de brasileiros de várias raças são feitas de rapadura. Em mostras anteriores, as peças foram literalmente devoradas pelo público!

7- Pouco conhecida dos paulistanos, a pintora e gravadora baiana Yedamaria expõe seus trabalhos baseados em cenas cotidianas sob um olhar feminino.

8- O escritor Jorge Amado e o artista plástico Carybé, entre outras personalidades, são alguns dos retratados pelo fotojornalista Anízio Carvalho em mais de cinco décadas de carreira.

9- No horário da abertura das exposições, haverá a apresentação de um coral de artistas africanos, rodas de samba e atabaques.

10- A programação também é uma ótima chance de conhecer o acervo de 3.000 peças do museu, boa parte delas vinda da coleção particular de seu próprio diretor, o artista plástico Emanoel Araújo.

Museu Afro Brasil. Pavilhão Manuel da Nóbrega – Parque do Ibirapuera, portão 3, Tel. 5579-0593. Terça a domingo, 10h às 18h. Grátis.

Fonte: VEJA SÃO PAULO