Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Prefeito assegura uso de máscaras até análise de estudo no dia 10

Ricardo Nunes, que mantém a obrigatoriedade por recomendação da Secretaria de Saúde, irá analisar dados apresentados pela pasta para decidir flexibilização

Por Redação VEJA São Paulo 28 out 2021, 12h26

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), disse nesta quarta-feira (27) que a Secretaria de Saúde irá apresentar a ele um novo estudo sobre o uso de máscaras no dia 10 de novembro. Enquanto isso, por recomendação da pasta, a capital segue com o uso obrigatório das máscaras, fundamentais contra a disseminação do coronavírus e para o controle de casos de Covid-19 na população. Rio de Janeiro e Distrito Federal estão flexibilizando o uso do item.

“A Secretaria da Saúde me orientou a não fazer a liberação do uso da máscara. Como eu sigo a Saúde, não liberamos, e no dia 10 de novembro, a Secretaria da Saúde apresenta um novo estudo, com o monitoramento de outras pessoas, pra gente poder tomar uma decisão. Por enquanto, na cidade de São Paulo, por conta do estudo científico, permanece a obrigatoriedade do uso da máscara”, disse o prefeito, em entrevista à Globonews.

O estudo científico ao qual o prefeito se refere foi solicitado à Secretaria da Saúde quando cidades ao redor do mundo começaram a liberar o uso de máscaras. Segundo a pesquisa, feita com 15.611 pessoas, 42,6% das pessoas se contaminaram dentro de suas residências e a taxa de transmissão era baixa. Por isso, para manter os números baixos, a recomendação da Saúde foi a de manter o uso das máscaras.

Entretanto, com cerca de 92,6% da população acima de 18 anos totalmente imunizada na cidade, de acordo com dados da prefeitura, a gestão Nunes chegou a anunciar que a utilização de máscaras em ambientes externos na capital seria desobrigada a partir da segunda quinzena de outubro, mas, diante da repercussão, recuou.

O prefeito ainda disse que está usando drones para monitorar o uso de máscaras pela cidade. “Hoje, se você passar lá na [rua] 25 de Março, vai ter um ou outro sem máscara”, afirmou.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90.

Continua após a publicidade

Publicidade