Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Governo de São Paulo não vai antecipar segunda dose de vacina

A expectativa era que o intervalo entre as duas doses da AstraZeneca fosse abreviado

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 11 jul 2021, 17h21 - Publicado em 11 jul 2021, 17h15

O governo de São Paulo não antecipará a segunda dose da vacina AstraZeneca, aplicada atualmente até doze semanas depois da primeira dose. A diminuição desse período é uma estratégia usada em alguns estados para ajudar no combate contra a variande delta do coronavírus

“Estudos demonstram que, quanto mais tempo você tem, melhor a imunidade. Nesse momento, a nossa estratégia é vacinar com a primeira dose o maior quantitativo de pessoas, ou seja, aqueles que estão sob risco”, disse Regiane de Paula, coordenadora geral do Programa Estadual de Imunização, em coletiva na tarde deste domingo (11).

LEIA MAIS: Vacinação é antecipada no Estado de SP. Confira as datas

“Os estudos de mundo real são inequívocos em demonstrar que a proteção após a primeira dose, tanto da vacina AstraZeneca quanto da vacina Pfizer, ela é muita efetiva e robusta no que diz respeito a prevenção das formas graves da doença”, disse Marco Aurélio Sáfadi, Presidente do Departamento de Imunização da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Continua após a publicidade
Publicidade