Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Plantas da Mata Atlântica crescerão por 1 ano em sala de prédio da capital

Espaço no Edifício Mirante do Vale, no centro, é lar da instalação, que recebe hóspedes via AirBnb e vai promover atividades culturais

Por Guilherme Queiroz Atualizado em 11 Maio 2021, 16h07 - Publicado em 11 Maio 2021, 16h04

O Edifício Mirante do Vale, o mais alto da capital paulista, ganhou uma instalação repleta de verde. Uma sala no 43º andar do prédio recebe 97 espécies nativas da Mata Atlântica, parte do projeto A selva que nos escapa. As plantas crescerão livremente pelos 70 metros quadrados por cerca de um ano.

“Nosso foco era criar um contraponto com a cidade urbanizada, que foi construída sobre a Mata Atlântica”, conta Charly Andral, 35, dono do local e idealizador do Andar43, nome do espaço cultural com duas enormes janelas de vidro que dão vista para o Vale do Anhangabaú. Nos próximos meses, diversas atividades devem ser desenvolvidas por ali, como experiências gastronômicas e pedagógicas sobre a floresta. O espaço também recebe hóspedes por AirBnb, com diárias que custam 280 reais.

Imagem mostra sala com vista para o centro da cidade com plantas e cadeira no centro
Andar43: instalação ‘A selva que nos escapa’ André Gomes @andredvco/Divulgação

“A ideia inicial foi minha mas eu fui atrás do Reinaldo Apablaza, que é um designer chileno que trabalha com paisagismo”, conta Andral. Durante dois meses a dupla percorreu diversos viveiros na Grande São Paulo para formar a composição do cenário. “Barra Funda tem dois viveiros, Santa Cecília, fomos em alguns na Zona Sul, em Cotia [Grande SP] e em uma horta comunitária de São Miguel Paulista [Zona Leste]”, explica.

Os interessados na iniciativa podem ajudar o projeto por meio de uma vaquinha online. Cada apoio dá direito a um tipo de experiência no local, entre a adoção de mudas, visitas, workshops, e outros eventos.

Imagem mostra sala com vista para o centro da cidade com plantas e movéis de escritório ao centro, além de quadro com fotografia e manequim, e Charly Andral posicionado no meio das folhagens
Charly Andral na instalação do Andar43 Vincent Catala/Divulgação

Alguns dos espécimes que compõem o cenário: bromélias, pau-brasil, cambuci, pitangueiras, taioba, ora-pro-nóbis e o maracujá. “Vai ser muito interessante ver a instalação evoluir ao longo das estações do ano”, diz Andral, que investiu 15 000 reais na aquisição das plantas.

Continua após a publicidade

Além das mudas, o local está repleto de móveis de escritório antigos. “Todos foram achados no próprio Mirante do Vale. A gente quer reproduzir um escritório em uma brincadeira: se eles ficassem vazios por 50 anos, o que aconteceria?”, explica. Uma cama de casal dobrável e uma cozinha, com fogão elétrico, geladeira e utensílios de cozinha, foram adicionais para os interessados em passar alguns dias no local.

Imagem mostra folhagens e, atrás, vista para o Vale da Anhangabaú
Vista do Andar43 Charly Andral/Divulgação

O projeto exigiu a impermeabilização das paredes, para evitar a formação de mofo. A instalação ainda está em construção: novos espécimes serão adicionados ao longo dos meses. Entre os espécimes adquiridos, constam plantas que foram doadas por amigos e simpatizantes da ideia. “Queremos construir um ecossistema em torno da sala, uma rede de parceiros e amigos que compartilham essa mesma sensibilidade”, diz Charly.

Image mostra cama em meio a plantas e móveis de escritório
Cama para hóspedes no Andar43 Divulgação/Divulgação
Imagem mostra móveis de escritório rodeados de plantas
Móveis antigos de escritório fazem parte da decoração Vincent Catala/Divulgação

 

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade