Na frequência do amor

Paulinha Oliveira lembra que cada pensamento é uma escolha entre o medo e o amor. Por que, então, não escolher pensamentos mais amorosos?

“Eu tinha uma visão muito romântica do que é o amor. Mas amor é uma frequência, e nós podemos fazer a escolha de sintonizar com ela.” Estudante e professora de temas existenciais, Paulinha Oliveira (@estoupaulinhaoliveira) desmistifica o sentimento no episódio #30 do podcast Jornada da Calma. Na conversa com Helena Galante, Paulinha afirma que é possível lembrar do amor e acessar um estado de calma, alegria, leveza e honestidade que é universal. 

Estudiosa do livro Um Curso em Milagres e pós-graduada em Bases da Medicina Integrativa pelo Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Albert Einstein, Paulinha conta do trabalho em parceria com o Doutor Milton Takeuti, presidente da Associação Brasileira de Homeopatia e Homotoxicologia, o projeto #LembretesdoAmor e a plataforma de conteúdo Frequência do Amor. “Cada pensamento é uma escolha entre o medo e o amor. Por que não escolher pensamentos mais amorosos?”, questiona Paulinha.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s