Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Galeria do Rock é pichada durante evento que ocorreu na madrugada

Vizinhos do centro comercial, Sesc 24 de Maio e Senac também não escaparam dos pichadores

Por Tatiane de Assis Atualizado em 29 set 2019, 17h55 - Publicado em 29 set 2019, 15h44

A Galeria do Rock, tradicional centro comercial na região central, teve os portões de entrada pichados. Detalhes em madeira, ao lado das estruturas, também não escaparam da ação dos pichadores, que aconteceu durante SP Na Rua. O evento, que congrega palcos com festas, além de instalações e performances artísticas, teve início às 20h no sábado (28) e foi encerrado hoje (29) às 6h da manhã. Localizados na mesma via, o Sesc 24 de Maio e uma unidade do Senac também tiveram as fachadas marcadas.

De acordo com o administrador da Galeria do Rock, Antônio de Souza Neto, 69, os quatro seguranças que fazem a proteção do centro comercial estavam presentes durante a ação do grupo de pichadores e tentaram diassudí-los por meio do diálogo. “Eles não tinham como impedir as pichações, era um grupo grande”, conta Souza Neto que somente foi avisado do ocorrido pela manhã e que também reclama do lixo deixado após o evento.

 

Galeria do Rock pichado: ação durante a madrugada Reprodução/ Instagram/Veja SP

O administrador afirma ainda que antes do SP Na Rua, um grupo com moradores e empresários da região, chamado Renova Centro (RC), haviam pedido à prefeitura que o evento fosse deslocado para o triangulo histórico, que compreende a área entre as ruas Benjamin Constant, Boa Vista e Líbero Badaró. Contudo, o pedido foi negado e buscou-se a realocação de palcos, o que também não surtiu efeito. “Não somos contra o evento, porém a forma como ele tem sido feito é predatória para região”, afirma Fábio Redondo, comerciante, que integra o grupo do RC. 

Procurada pela reportagem de VEJA SÃO PAULO, a Prefeitura, em nota, lamentou o ocorrido com a Galeria do Rock, Sesc 24 de Maio e Senac. Informou também que diante do público esperado, medidas preventivas foram adotadas. Com a responsabilidade da segurança pública e patrimonial do evento, haviam equipes da Polícia Militar e Guarda Civil Metropolitana, que disponibilizou como reforço 34 agentes em 17 viaturas para o evento, que em 2019 atraiu 50 000 pessoas.

Sobre o pedido para realocar o evento, a Secretaria Municipal de Cultura disse que devido às obras do Vale do Anhangabaú, acatou uma recomendação de segurança e concentrou o evento na região do centro novo, que abarca a área onde está a Galeria do Rock.

Continua após a publicidade
Publicidade