Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

A febre do Dollify, aplicativo para criar sua caricatura cabeçuda

Programa gratuito criado por costa-riquenho ultrapassou 10 milhões de downloads; veja como funciona

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 28 jun 2019, 17h09 - Publicado em 28 jun 2019, 17h00

Não é raro navegar pelo Instagram nos últimos dias e se deparar com bonequinhos cabeçudos de olhos gigantes, que, com sorte, lembram o rosto de algum amigo seu. Os avatares do aplicativo Dollify, criado pelo designer costa-riquenho David Álvarez, viraram febre.

Com mais de 10 milhões de downloads, o programa se tornou viral na semana passada. Engana-se quem acha que o serviço cria uma caricatura automática. Além dos 100 megabytes ocupados na memória do Android (ou 1,1 gigabyte no sistema IOS), é preciso ter paciência para selecionar as características do seu personagem: formato dos olhos, penteado, cor do cabelo, roupas, acessórios… O que vale é a criatividade – e um pouco de tempo livre.

A ferramenta foi lançada no final de 2018 e só era possível criar desenhos com características femininas até a semana passada. Contudo, após uma atualização no último dia 19, surgiu a opção para montar personagens masculinos. Dá para formar quantos bonequinhos quiser e não se pede nenhum tipo de cadastro para usar o serviço.

Para os mais animados, é possível adquirir a versão premium do serviço. Por aproximadamente 28 reais, customizações extras são liberadas, além de retirar a marca d´água com o logo do Dollify, que fica no canto inferior esquerdo das imagens.

Continua após a publicidade

Publicidade