Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Bienal anuncia o curador da próxima edição

O espanhol Gabriel Pérez-Barreiro será responsável pela mostra marcada para setembro de 2018

Por Julia Flamingo Atualizado em 26 jan 2017, 18h25 - Publicado em 26 jan 2017, 18h24
O espanhol Gabriel Pérez-Barreiro assume a curadoria da próxima Bienal (© Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo)
O espanhol Gabriel Pérez-Barreiro assume a curadoria da próxima Bienal (© Pedro Ivo Trasferetti / Fundação Bienal de São Paulo)

O espanhol Gabriel Pérez-Barreiro foi anunciado nesta quinta (26) como o curador da 33ª Bienal de São Paulo, marcada para setembro de 2018. Atualmente, ele é diretor e curador-chefe da Coleção Patricia Phelps de Cisneros, um dos maiores acervos do mundo de arte latino-americana, com sedes em Nova York e Caracas. No Brasil, ele foi curador-chefe da 6ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre, em 2007, e já fez curadorias de mostras de artistas nacionais.

O espanhol irá trabalhar ao lado de João Carlos Figueiredo Ferraz, anunciado no começo do ano como o diretor da Fundação Bienal. Criador também do Instituto Figueiredo Ferraz – instituição em Ribeirão Preto que apresenta sua coleção particular – o diretor diz que sua maior preocupação com a curadoria é “manter o foco na arte”.

Jochen Volz
O antigo curador Jochen Volz © Sofia Colucci / Fundação Bienal de São Paulo/Divulgação

Segundo ele, a última bienal foi temática: ele se refere ao foco em áreas como cosmologia e ecologia: “Para o que Jochen Volz se propôs, deu muito certo”, diz. “Porém, eu imagino em fazermos algo mais poético”, conta o diretor.

Continua após a publicidade

Entenda o papel de um curador da Bienal

Mais do que uma exposição, uma Bienal serve para reunir o que há de mais novo no mundo das artes. O curador não deve apenas selecionar obras que já existem – como é o costume na maioria dos museus – mas garimpar artistas que tenham uma produção experimental  que vá de encontro com questões atuais da sociedade e de outras áreas do conhecimento. Normalmente, ele se muda para São Paulo um ano antes do início da exposição e pode convidar outras pessoas como curadores-assistentes.

 

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade