Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Artista espalha carrinhos de supermercado gigantes pela cidade

Você viu essas obras por aí? Descubra de quem é o projeto

Por Veja São Paulo Atualizado em 1 jun 2017, 15h58 - Publicado em 6 set 2016, 20h25

Você viu carrinhos de supermercado gigantes espalhados pela cidade? Alguns colocados de ponta cabeça, outros submersos pela metade, eles têm dado o que falar em ruas como Avenida Brasil, Avenida Juscelino Kubitschek e na estação Cidade Jardim.

57cbb502cbf98dc31a5f5c01_carrinho-7
57cbb502cbf98dc31a5f5c01_carrinho-7

Eles são mais uma obra do artista paulistano Eduardo Srur, que vem assinando trabalhos lúdicos e super chamativos pelas ruas de São Paulo. Na intervenção chamada Mercado, Srur quer aletar sobre o consumo: desperdício, distribuição desigual e impactos ambientais. A ideia é que os carrinhos apontem para a urgência de mudança nos hábitos de consumo dos paulistanos.

+ Exposições em cartaz na cidade

Veja abaixo outras intervenções já feitas pelo artista na cidade:

57caee54e71ebf3938547260_Wide home - Trampolim
57caee54e71ebf3938547260_Wide home – Trampolim
Continua após a publicidade

Na série Trampolim, de 2014, esculturas realistas foram posicionados na ponta de trampolins azuis com o objetivo de aludir a impossibilidade de mergulhar ou nadar no rio Pinheiros, devido à contaminação.

Eduardo Srur
Eduardo Srur

Em Sobrevivência, de 2008, dezesseis esculturas públicas receberam coletes salva-vidas, para que não passassem despercebidas aos olhos dos paulistanos. O trabalho também remetia ao problema das enchentes na cidade.

Eduardo Srur
Eduardo Srur

Lembra quando o rio Pinheiros ficou cheio de caiaques? Nessa instalação de 2006, Srur lembra os milhares de paulistanos que passam pela marginais todos os dias da existência de um espaço totalmente abandonado da metrópole.

Eduardo Srur
Eduardo Srur

A Marginal Tietê também virou cenário de uma de suas obras. Em Pets, vinte esculturas de 12 metros cada uma tomaram suas margens. A ideia era chamar atenção para a questão ambiental, além de uma “reciclagem” no olhar dos paulistanos.

Continua após a publicidade

Publicidade