Eles fazem muita falta

Dez figuras da gastronomia paulistana que nos deixaram nas últimas duas décadas

BENJAMIN ABRAHÃO. Criador da rede de padarias que leva seu nome, o risonho e talentoso padeiro ganhou fama ensinando suas receitas na televisão. Morreu em 2001.

ELÍDIO RAIMONDI. Bom de papo, o fundador do Elídio Bar, endereço dedicado à botecagem de primeira e com bom balcão de petiscos na Mooca, foi-se em 2012.

Fortunée HenryFortunée Henry

FORTUNÉE HENRY. A fundadora do La Casserole morreu em 2009, aos 87 anos, dois anos após ser homenageada como a primeira personalidade gastronômica por VEJA COMER & BEBER.

GUIA-MARCOS BASSI10GUIA-MARCOS BASSI10

MARCOS BASSI. Dono de um sorriso largo, o mestre das carnes partiu em 2013. Seus negócios, entre eles o Templo da Carne Marcos Bassi, são tocados pela viúva e suas duas filhas.

+ Os chefs que revolucionaram a cozinha paulistana nas duas últimas décadas

GIOVANNI BRUNO. No Il Sogno di Anarello, conquistou gerações com receitas cantineiras, entre elas o molho à romanesca (creme de leite, presunto e ervilha), que criou nos anos 60, quando trabalhava no Gigetto.

Giancarlo Bolla, chef de cozinha do restaurante La TambouilleGiancarlo Bolla, chef de cozinha do restaurante La Tambouille

GIANCARLO BOLLA. Mestre na arte da gentileza, o restaurateur e chef do La Tambouille, mimava seus clientes como raramente se vê em outro lugar. Faleceu em 2014, aos 73 anos.

OLGA FIGUEIREDO. Sempre de avental, ela criou os saborosos petiscos do Pompeia Bar. Morreu em dezembro de 2015, aos 85 anos.

TAKATOMO HACHINOHE. O lendário sushiman da gastronomia paulistana servia suas impecáveis receitas no extinto Komazushi. Morreu em 1998.

Thrassyvoulos Georgios Petrakis, conhecido como _Seu Trasso_, dono do restaurantThrassyvoulos Georgios Petrakis, conhecido como _Seu Trasso_, dono do restaurant

THRASSYVOULOS GEORGIOS PETRAKIS. “Seu Trasso”, embaixador da culinária grega na cidade, trabalhou no restaurante até os anos 70, quando o comprou e o transformou no Acrópoles. Fechado para reforma, desde sua morte, em julho, deve reabrir até o fim deste mês.

WASHINGTON FIUZA. Criador do Chef Rouge, que ele abriu para os filhos Vanessa e Rodrigo, e autor de milhares de projetos de restaurantes no Brasil, o arquiteto nos deixou em agosto.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s