Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

A melhor maneira de importar vinhos

Com a transferência internacional online, é possível comprar bebidas das mais variadas nacionalidades com preços menores

Por Ana Carolina Pereira, de Abril Branded Content Atualizado em 28 nov 2019, 13h17 - Publicado em 13 nov 2019, 11h00

O Brasil está se destacando cada vez mais na produção de vinhos, mas os melhores rótulos ainda são de outros países. Conforme destacou o Wine Style Award 2019, com base em mais de 40 milhões de críticas e 120 milhões de avaliações populares, os vinhos que mais agradam os paladares ao redor mundo são de regiões famosas por suas vinícolas, como Napa Valley, nos Estados Unidos; Côte de Nuits e Sauternes, na França; Toscana, na Itália; e Porto, em Portugal. Mas como ter acesso a essas renomadas bebidas e não ter que pagar tão caro?

Nem sempre é possível encontrar os vinhos desejados em lojas brasileiras. Sem falar do preço, que, além de estar sujeito à oscilação do dólar, também conta com o acréscimo de encargos, que, segundo estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), giram em torno de 80% do valor da garrafa importada e, dependendo da dificuldade dos desembargos aduaneiros, pode chegar a mais de 150%. Assim, um Cabernet Sauvignon 2015 da Scarecrow, rótulo americano que teve destaque no ranking e que custa, em média, 695 dólares, poderia ser vendido por mais de 6 900 reais no Brasil.

Uma maneira interessante de comprar vinhos importados é diretamente na fonte: em lojas internacionais online, nas quais os mais variados rótulos são facilmente encontrados. Alguns cuidados precisam ser tomados: verificar o histórico do vendedor, se há reclamações sobre ele na internet e se conta com alguma certificação de segurança. Na Europa, por exemplo, existe o Trust Ecommerce Europe, que certifica os canais de compra online e disponibiliza uma plataforma para resolução de conflitos.

Opção mais barata

Além da facilidade, a compra por transferência internacional tem a vantagem do custo mais baixo. A Remessa Online, por exemplo, opera considerando o câmbio comercial, mais barato do que o câmbio turismo, e a taxa de Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) cobrada é de 0,38%, enquanto um pagamento com cartão de crédito acrescenta 6,38% ao valor da compra. Sobre a operação incide também um custo de transação de 1,3% e pode ser incluído o imposto de importação, dependendo da modalidade de importação escolhida pelo cliente.

Nesse caso, o mesmo premiado Cabernet Sauvignon 2015 da Scarecrow sairia, em média, por 2 800 reais: uma economia de mais de 4 000 reais. E mesmo considerando o pior cenário – em que a mercadoria importada é taxada ao chegar ao Brasil e sobre o valor do produto seja acrescida a alíquota única do imposto de importação de 60% –, ainda assim o preço da garrafa seria de aproximadamente 4 400 reais, totalizando uma economia de 2 500 reais.

Transferência internacional

Para fazer o envio de dinheiro, o comprador precisa apenas receber a invoice (nota fiscal) do estabelecimento comercial, com os dados do canal bancário (uma espécie de código do banco), e fazer a operação digitalmente. Quem tiver dificuldades ou dúvidas quanto à documentação ou processo de pagamento pode contar com a ajuda do atendimento ao cliente da Remessa Online.

O cliente que tem o cadastro simples no site, que dispensa a apresentação de documentos, pode enviar até 37 500 reais por vez e até 75 000 reais por ano. E com o cadastro completo, que exige o envio de cópia digital de documentos, como RG, CPF, comprovante de residência e declaração de imposto de renda, não há limite de valor por envio, apenas uma cota anual, que é de 40% do patrimônio declarado no Imposto de Renda.

Em até um dia útil, o dinheiro é transferido para a conta de destino no exterior e a compra é efetuada. Daí para frente, é só esperar chegar o rótulo escolhido e apreciar.

 

Continua após a publicidade
Publicidade