Imagem Blog

Tudo Sobre Cinema

Continua após publicidade

Cineasta iraniano critica Trump e não vai ao Oscar

Asghar Farhadi tomou a decisão após a medida do presidente americano de vetar a entrada de visitantes de sete países muçulmanos

Por Miguel Barbieri Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 25 fev 2017, 20h09 - Publicado em 29 jan 2017, 18h19

A medida do presidente americano Donald Trump de impedir a entrada nos Estados Unidos de visitantes de sete países de maioria muçulmana repercutiu no Oscar. Neste domingo (29), o diretor iraniano Asghar Farhadi, que concorre ao prêmio de melhor filme estrangeiro por O Apartamento, em cartaz na cidade, disse que, mesmo que haja uma exceção em seu caso, não pretende comparecer à cerimônia.

O veto de Trump atinge os cidadãos vindos do Irã, Iraque, Líbia, Somália, Sudão, Síria e Iêmen. Farhadi, que já ganhou um Oscar, em 2012, pelo excelente A Separação, soltou um grande comunicado à imprensa. “Lamento anunciar, através desta declaração, que decidi não participar da cerimônia de entrega dos prêmios da Academia. “Ses” e “mas” não são aceitáveis para mim, mesmo que existam exceções para minha viagem. Expresso aqui meu repúdio às condições injustas impostas a alguns dos meus compatriotas e aos cidadãos dos outros seis países que tentam entrar legalmente nos Estados Unidos. Esperamos que a situação atual não dê origem a uma maior divisão entre as nações”, escreveu o cineasta iraniano.

Cena de 'O Apartamento', em cartaz na cidade
Cena de ‘O Apartamento’, em cartaz na cidade ()

Farhadi foi mais detalhista: “Ao longo dos últimos dias, e apesar das circunstâncias injustas que surgiram para os imigrantes e viajantes de entrar nos Estados Unidos, minha decisão permaneceu a mesma: ir ao Oscar e expressar minhas opiniões sobre isso. Eu não tive a intenção de não participar nem quis boicotar o evento como uma demonstração de objeção, pois sei que muitos na indústria cinematográfica americana e na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas se opõem ao fanatismo e extremismo. No dia em que os candidatos foram anunciados, eu disse ao meu distribuidor nos Estados Unidos que estaria participando junto do meu diretor de fotografia e continuei acreditando que estaria presente”.

O realizador completou que em seu país a situação não é muito diferente e fez uma crítica a Trump. “Durante anos, em ambos os lados do oceano, grupos de linha dura tentaram apresentar a seus povos imagens irrealistas e temerosas de várias nações e culturas para transformar suas diferenças em desacordos, seus desentendimentos em inimizades e suas inimizades em medos. Insuflar o medo no povo é uma ferramenta usada para justificar o comportamento extremista e fanático por indivíduos de mente estreita”.

Continua após a publicidade

Quer me seguir nas redes sociais? Anote! 

Facebook: facebook.com/paginadoblogdomiguel
Twitter: @miguelbarbieri
Instagram: miguelbarbieri
Snapchat: miguelbarbieri

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.