Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Humberto Abdo (Maria Carolina Matheus da Silva) Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Suzana Alves: de Tiazinha a trambiqueira sexy

Ela odeia ser chamada de Tiazinha, nome da personagem que a tornou famosa em todo o país, no fim da década de 90. Mas é muito difícil (para dizer o mínimo) ouvir o nome Suzana Alves sem associá-la imediatamente à sensual figura de máscara, cinta-liga e chicotinho do programa “H”, comandado na época por Luciano […]

Por Ricky Hiraoka Atualizado em 27 fev 2017, 13h06 - Publicado em 22 ago 2011, 16h28

Suzana Alves: golpista no teatro (Foto: Fernando Moraes)

Ela odeia ser chamada de Tiazinha, nome da personagem que a tornou famosa em todo o país, no fim da década de 90. Mas é muito difícil (para dizer o mínimo) ouvir o nome Suzana Alves sem associá-la imediatamente à sensual figura de máscara, cinta-liga e chicotinho do programa “H”, comandado na época por Luciano Huck, na Band.

Suzana continua, porém, determinada a enterrar de vez a musa sadomasoquista. Em seu esforço para se firmar como atriz, aparecerá em cena com o vestido de noiva da foto acima a partir de quinta (25), quando estreia a peça “O Casamento Suspeitoso”. Viverá uma trambiqueira sexy, personagem que marca o fim de um jejum de três anos longe  dos palcos.

VEJA SÃO PAULO — Como é sua personagem?
Suzana Alves — A Lúcia é líder de uma gangue de golpistas que usa toda a sua sensualidade para dar o golpe do baú num rico herdeiro. E acaba inventando uma mentira em cima da outra. O que eles não imaginam é que vão encontrar outros dois trambiqueiros que também estão atrás do dinheiro. É uma personagem que me deu a oportunidade de trabalhar os graves da minha voz. É a líder da gangue, então precisa passar autoridade. Ela só fala em tons mais agudos quando está com o noivo.

VEJA SÃO PAULO — Por que a demora em voltar aos palcos?
Suzana Alves Não teve demora. Acredito que estou fazendo as coisas na hora certa. Estou há três anos estudando no Centro de Pesquisa em Experimentação Cênica do Ator da Escola de Comunicações e Artes da USP (Cepeca).  Fiquei trabalhando em uma pesquisa sobre memória corporal.

Continua após a publicidade

VEJA SÃO PAULO — Do que trata a pesquisa?
Suzana Alves — Por meio de estímulos como a música aciono minha memória corporal. Isso faz surgir gestos que repito diversas vezes durante três horas e, a partir daí, surge uma cena.  Chego a um estado que faz meu corpo escrever. Pego uma folha e começo.  Nasce um diálogo, um texto, uma vida. É bem legal.

VEJA SÃO PAULO — O que pretende fazer com esses textos?
Suzana Alves No fim, vai surgir um monólogo sobre superação. Tem referências da minha história, mas não é autobiográfico. Na hora de escrever, não penso muito. Deixo fluir. Agora, preciso transformar esse texto em um espetáculo para o público.

VEJA SÃO PAULO — Você tem vontade de voltar à televisão?
Suzana Alves Sim, mas quero fazer algo bacana. Não tenho esse desespero de estar na TV e não corro muito atrás. Quero ter um tempo para respirar. Como tive aquela projeção toda muito cedo na minha vida, prefiro ir com calma. Penso em fazer televisão, mas meu lema é trabalhar e me divertir.

VEJA SÃO PAULO — As pessoas subestimam seu talento como atriz por você ter sido a Tiazinha? Elas têm preconceito?
Suzana Alves O preconceito não é de fora. Ele vem de dentro. Não sofro nenhum preconceito dentro de mim. O que importa é como estou me sentindo, como vejo minha história. Acho que meu passado foi fundamental para saber o que quero hoje.  Se existiu algum preconceito era dentro de mim mesma.  Você tem que acreditar no seu trabalho, saber quem você é e ir em frente.

VEJA SÃO PAULO — Você se casou em outubro passado com o tenista Flavio Saretta. Tem planos de ser mãe logo?
Suzana AlvesTer filhos é um plano de médio prazo. A ideia era ficar grávida agora no meio do ano, mas só voltarei a pensar no assunto quando finalizar a peça em dezembro.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)