Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Humberto Abdo (Maria Carolina Matheus da Silva) Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Livraria infantil PanaPaná teve alta de vendas nesta quarentena

Após uma postagem nas redes sociais, site ficou congestionado. “Sinto que existe nas pessoas a vontade de fortalecer pequenos negócios”, diz.

Por Humberto Abdo Atualizado em 5 jun 2020, 12h44 - Publicado em 29 Maio 2020, 06h00

Dona da livraria infantil PanaPaná, na Vila Clementino, Celina Bodenmüller, 55, viu os pedidos crescer após uma postagem nas redes sociais trazer a afirmação de que, para continuar aberta, a loja precisaria vender pelo menos quinze itens por dia. Depois de mais de 700 compartilhamentos e cerca de 170 pedidos, o site chegou a ficar congestionado. “Sinto que existe nas pessoas a vontade de fortalecer pequenos negócios”, diz.

Para sobreviver com as portas fechadas, Celina conseguiu 50% de abatimento no aluguel, trabalha com dois dos três funcionários e investe na venda de vales-presentes e listas para aniversariantes, com uma seleção de livros feita de acordo com os gostos da criança. “Os amigos compram com desconto, e entregamos todos no dia da comemoração, com um presente da loja.” Segundo ela, são campeãs de vendas obras para pequenos em processo de alfabetização e a coleção Pilar, de Flávia Lins.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 3 de junho de 2020, edição nº 2689.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicidade