Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
São Paulo nas Alturas Por Raul Juste Lores Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura

#SPSonha: como poderia ser o Minhocão com um jardim suspenso

O escritório de arquitetura Triptyque apresentou à prefeitura na gestão passada uma proposta para a área mais problemática do elevado

Por Raul Juste Lores Atualizado em 5 fev 2020, 13h58 - Publicado em 6 jul 2018, 06h00

O Plano Diretor estabeleceu que o Minhocão deverá ser desativado para o tráfego de veículos, mas ninguém tem a menor ideia da data, nem da viabilidade da regra.

Construída em apenas onze meses e inaugurada em 1970 pelo então prefeito Paulo Maluf, a via expressa de 3,4 quilômetros que passa rente às janelas de dezenas de edifícios residenciais se mostrou um descalabro urbanístico desde o início. Os prefeitos Olavo Setúbal e Luiza Erundina promoveram a interdição noturna do viaduto aos veículos, Gilberto Kassab convocou arquitetos para um concurso de ideias sobre o destino do monstrengo e Fernando Haddad permitiu que fosse exclusivo a pedestres já no sábado à tarde.

Há grupos aguerridos que defendem a criação de um parque ali, aprovado no nome, mas ainda longe de qualquer resquício de verde; e outros que preferem ver a demolição direta. O escritório de arquitetura Triptyque e o paisagista Guil Blanche apresentaram à prefeitura na gestão passada uma proposta para a área mais problemática e esquecida do elevado, aquela sob as pistas, escura, úmida e insegura, ignorada pelos corredores de fim de semana.

Chamado de Marquise Minhocão, o projeto sugere recortes na estrutura, para permitir que a luz natural chegue à rua. Vegetação escalaria os pilares, que seriam numerados, “como se fossem postos das praias no Rio de Janeiro”, sonham os arquitetos. Entre os pilares 9 e 10 nessa Ipanema paulistana, por exemplo, seriam permitidos quiosques, de comércio e serviços, e até de alimentação.

Um disparate? Em Buenos Aires, desde 1992 um polo gastronômico sofisticado funciona instalado sob um viaduto na Avenida Nove de Julho com a Rua Posadas. A chamada Recova de Posadas, com 16 000 metros quadrados, virou ponto turístico, ignorando a poluição do trânsito.

Elevado verde

TRIPTYQUE ARQUITETURA/Veja SP
Continua após a publicidade

Em meio à vegetação espalhada, fendas entre as pistas deixariam a luz natural alcançar o asfalto

Praia de paulistano

TRIPTYQUE ARQUITETURA

Os pilares do Minhocão seriam numerados, para orientação, como os postos cariocas

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês