Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Cliente pede indenização de 2 milhões de reais após comprar pizza com pouco queijo e calabresa

Quem acha que pizza é brincadeira, não conhece esta consumidora: ela processou uma empresa do ramo de alimentação por falta de molho de tomate e “quantidade ínfima” de calabresa e queijo em pizzas congeladas. Pediu 2 milhões de reais de indenização, mas foi negado pelo juiz Gustavo Dall’Olio, da 8ª Vara Cível de São Bernardo do […]

Por VEJASP Atualizado em 26 fev 2017, 10h19 - Publicado em 14 set 2016, 12h23

ABRE01

Quem acha que pizza é brincadeira, não conhece esta consumidora: ela processou uma empresa do ramo de alimentação por falta de molho de tomate e “quantidade ínfima” de calabresa e queijo em pizzas congeladas. Pediu 2 milhões de reais de indenização, mas foi negado pelo juiz Gustavo Dall’Olio, da 8ª Vara Cível de São Bernardo do Campo. Ainda cabe recurso.

+ Casal faz ensaio inspirado em Diário de Uma Paixão para celebrar 57 anos juntos
+ Preço dos novos fones de ouvido está levando os fãs da Apple à loucura na web

Na petição inicial, a cliente pede que a pizza pronta seja retirada do mercado já que se trata de uma propaganda enganosa, sob pena de multa diária de 5 000 reais para o fabricante. A mulher disse ainda que, por várias vezes, comprou o congelado e que, em quase todos casos, o produto chegou com aparência diferente da mostrada na propaganda – além disso, a quantidade de ingredientes era muito menor. Ela afirma ainda que a compra realizada no dia 2 de agosto foi a gota d’água, já que a quantidade de mussarela e calabresa era “desrespeitosa com o consumidor”.

Além de entrar em contato com o SAC da empresa, a cliente verificou que a reputação do fabricante era bastante ruim na internet. Segundo o juiz Gustavo Dall’Olio, a “pouca ou muita quantidade” de molho e cobertura não justifica a necessidade de recorrer ao Poder Judiciário. Ele também sugeriu que a consumidora noticie a suposta lesão aos órgãos competentes.

O magistrado também negou o pedido de gratuidade processual feito pela cliente, citando que ela contratou um profissional, gastando dinheiro na ação em que revelou a insatisfação com a quantidade dos ingredientes. Além disso, Gustavo Dall’Olio disse que o advogado parece o verdadeiro consumidor incomodado: ele teria enviado diversos e-mails às empresas reclamando. As informações são do jornal EXTRA

Dê sua opinião: E você, o que achou da atitude radical da consumidora? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook.

Continua após a publicidade

Publicidade