Notas Etílicas - Por Saulo Yassuda

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
O jornalista Saulo Yassuda cobre cultura e gastronomia. Faz críticas de bares na Vejinha há dez anos. Dá pitacos sobre vinhos, destilados e outros assuntos
Continua após publicidade

Projeto prevê restaurante, museu e observatório no Edifício Martinelli

Grupo Tokyo, dos bares Tokyo e Alto, venceu a licitação para explorar, por quinze anos, parte do espaço. O contrato é de 50,5 milhões de reais

Por Saulo Yassuda Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 17 fev 2023, 01h12 - Publicado em 11 fev 2023, 11h32
  • Seguir materia Seguindo materia
  • O icônico Edifício Martinelli, inaugurado em 1929 no Centro, tem novidades à vista. O Grupo Tokyo, que comanda os bares Tokyo e Alto, foi o único a demonstrar interesse na proposta da prefeitura de São Paulo de concessão, durante quinze anos, de parte do arranha-céu para a exploração comercial. O contrato, estimado em edital em 50,5 milhões de reais, valor que ainda pode sofrer alterações, prevê a abertura de café, restaurante, museu, espaço de eventos e um mirante. Os envelopes foram entregues no último dia 8 à SP Urbanismo, que, após a análise dos papéis do interessado, fez uma reunião na última quinta (16) para a decisão sobre o vencedor da licitação.

    Publicidade

    + Com filas de até 2 horas, We Coffee planeja chegar a quinze endereços neste ano

    Publicidade

    O empresário Junior Passini, do Grupo Tokyo, se inspira em pontos turísticos do mundo, como o Top of the Rock, em Nova York, para tocar o novo projeto no edifício de 130 metros de altura. “É a melhor vista de São Paulo, a única tão alta e com 360 graus de visão, você tem liberdade e vai a todos os lados”, derrete-se.

    O projeto da prefeitura para a exploração de 2 570 metros quadrados do prédio pela iniciativa privada foi retomado no fim do ano passado. Um plano antigo, a proposta inicial havia sido lançada no início de 2020, mas barrada em dezembro daquele ano após questionamentos do TCM (Tribunal de Contas do Município).

    Publicidade
    Ambiente aberto com pessoas
    Tokyo: bar-balada no Centro (Marcelo Justo/Divulgação)

    O edital prevê a ocupação da loja 11 no térreo e também dos andares 25º a 28º. No térreo, a intenção do grupo é abrir uma loja de suvenires com cafeteria. Por um novo elevador, exclusivo, os visitantes poderão subir a um restaurante e a um museu sobre a cidade de São Paulo, ambos no 25º. No 26º andar, onde fica a laje principal do terraço, está previsto um observatório para a cidade e um espaço para eventos, como shows e festas, que poderá se estender aos 27º e 28º andares, onde se situa o palacete de Giuseppe Martinelli, idealizador do prédio.

    Continua após a publicidade

    Após confirmado o vencedor da licitação, a companhia tem trinta dias, prorrogáveis por mais trinta, para a assinatura do contrato. De acordo com Passini, muitos dos interessados na licitação foram desistindo da concorrência no meio do caminho pela magnitude do projeto. “Para a viabilidade do negócio, investidores e marcas são fundamentais”, revela. “A obra de restauro vai levar de seis meses a um ano, no mínimo”, acredita. “A rota vai sendo corrigida e adaptada.”

    Publicidade

    Com a concessão do Martinelli, o edifício deixaria de ter a visitação gratuita ao terraço, como costumava ser até o início da pandemia. O empresário, no entanto, promete deixar alguns dias de entrada livre. “Teremos visitas gratuitas no espaço em pelo menos dois dias da semana”, diz.

    Edifício Martinelli visto de baixo para cima
    Fachada do prédio (Leo Martins/Veja SP)

    Veja mais detalhes sobre como deve ser o projeto no Edifício Martinelli, se concretizado:

    Publicidade

    TÉRREO
    A intenção é abrir uma loja de souvenir com café, para receber os visitantes, com entrada pelo Rua Libero Badaró. Um novo elevador, exclusivo, é imaginado para levar o público para o alto.

    Continua após a publicidade

    25º ANDAR
    No projeto, dividem o espaço um restaurante e um museu sobre a cidade de São Paulo.

    26º ANDAR
    É a laje principal do terraço, para onde é previso um observatório para a cidade e também a parte aberta do restaurante. Também é imaginado um espaço para eventos, como shows e festas.

    27º e 28º ANDARES
    É onde ficava a residência de Giuseppe Martinelli. Deve ser uma extensão do restaurante e do espaço de eventos. 

    Publicado em VEJA São Paulo de 22 de fevereiro de 2023, edição nº 2829.

    Para ficar por dentro do universo dos bares e da gastronomia, siga @sauloyassuda no Instagram e no Twitter.

    Publicidade
    Publicidade

    Essa é uma matéria fechada para assinantes.
    Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

    Domine o fato. Confie na fonte.
    10 grandes marcas em uma única assinatura digital
    Impressa + Digital no App
    Impressa + Digital
    Impressa + Digital no App

    Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

    Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
    *Para assinantes da cidade de São Paulo

    a partir de 49,90/mês

    PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
    Fechar

    Não vá embora sem ler essa matéria!
    Assista um anúncio e leia grátis
    CLIQUE AQUI.