Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Barbara Demerov Filmes e Séries - Por Barbara Demerov Aqui você encontra críticas, entrevistas e as principais novidades sobre o mundo do cinema e do streaming

Bergman Island utiliza metalinguagem para homenagear cineasta sueco

Na 45ª Mostra SP, filme de Mia Hansen-Løve apresenta dois personagens em busca de inspiração

Por Barbara Demerov Atualizado em 2 nov 2021, 16h11 - Publicado em 2 nov 2021, 16h08

✪✪✪✪ Bergman Island, filme exibido no Festival de Cannes 2021, é um dos títulos apresentados na 45ª Mostra Internaciona de Cinema em São Paulo. Dirigido por Mia Hansen-Løve, a obra é contemplativa a ponto de aproximar ou distanciar espectadores na mesma medida.

Isso porque a história de ficção se movimenta constantemente a partir da vida real e do cinema em si. Um casal de cineastas viaja até a ilha de Faro, local onde o diretor sueco Ingmar Bergman viveu, para escrever seus respectivos novos filmes. Chris (Vicky Krieps) e Tony (Tim Roth) querem beber da mesma fonte de inspiração de Bergman, autor de Gritos e Sussurros, Cenas de um Casamento, O Sétimo Selo e tantos outros clássicos absolutos.

Essa mistura de realidade com ficção se choca a todo o instante, a ponto de entrarmos na própria mente de Chris enquanto ela conta ao marido a essência de seu novo roteiro. Sob o olhar de Hansen-Løve, a metalinguagem presente no universo ficcional – que, por sua vez, já se encontra dentro de uma ficção – é encantadora.

Por outro lado, mais encantador ainda é observarmos a “ilha de Bergman” como ela é. Personagens (alguns realmente suecos) falam sobre a ilha e os filmes que permanecem no imaginário popular, visitam a casa onde o cineasta viveu e até mesmo manifestam xingamentos a Bergman. Tudo se mistura numa espécie de homenagem honesta, que não tira de vista os pontos negativos da figura – especialmente no âmbito pessoal.

Bergman Island proporciona uma viagem ao quase que fantástico universo de Ingmar Bergman a partir do ponto de vista de uma cineasta em constante evolução. As diferentes camadas do filme apresentam romance em níveis desiguais e, ao mesmo tempo, complementares. E o resultado disso tudo – dessa combinação da clara admiração de Mia com sentimentos e tramas fictícias – é tão pessoal quanto universal.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês