Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
A Tal Felicidade Saúde, bem estar e alegria para os paulistanos

Como ter uma vida mais feliz segundo a neurociência

Claudia Feitosa-Santana fala sobre os elementos imprescindíveis para alcançar o bem-estar

Por Claudia Feitosa-Santana, em depoimento a Helena Galante Atualizado em 24 mar 2022, 20h09 - Publicado em 25 mar 2022, 06h00

Atualmente, fala-se muito de felicidade. Todos parecem estar atrás de seu final feliz. Por quê? Porque ninguém sente saudade de sofrer. Ninguém se sente bem quando está mal. Por isso, querer ser feliz a todo instante é uma obsessão da nossa sociedade. Mas infelizmente é uma tarefa impossível para o cérebro. O “felizes para sempre” é coisa de conto de fada.

Nosso mundo é feito de contrastes, e nós somos máquinas de detectar diferenças. Nossa vida é construída de momentos consecutivos, que podem ser mais ou menos discrepantes. Ou seja, há instantes de felicidade e tristeza, de bem-estar e mal-estar, e por aí vai. O melhor é chegar mais próximo do ponto em que as diferenças são mais suaves, mais mornas, evitando os extremos.

Esse caminho do meio pode parecer sem graça, mas passa a ser mais atraente se deixamos de pensar em felicidade e optamos por construir uma vida mais feliz. Se felicidade é só um momento passageiro, a vida feliz é um projeto de longo prazo. Então, o que você pode fazer para consegui-la? É aqui que a ciência pode nos ajudar: a partir de pesquisas, é possível delimitar alguns ingredientes.

+Scaratuja, peça de teatro para bebês, faz nova temporada no Teatro Vivo

Da mesma forma que não dá para fazer pão sem farinha, não dá para ser feliz sem o devido cuidado com o corpo, pois nossos estados mentais começam pelos estados corporais. E o corpo precisa de alimento, descanso e exercício. Por isso, primeiro, se alimente de maneira saudável e saborosa. O balanço entre os dois é importante — e subjetivo. Segundo, todo mundo, inclusive você, precisa dormir bem, então tente evitar a privação de sono (e de sonho). Terceiro, lembre-se de que pouco exercício é melhor que nada. E mais é melhor que pouco. Com esses três componentes você tem a base para o bem-estar.

Além disso, diferentemente do que se prega por aí, não somos multitarefa. Construir uma vida feliz exige foco, que pode ser atingido com a ajuda de atividades meditativas, que são o recheio da nossa receita. Cozinhar, costurar, surfar, praticar zazen ou rezar o terço — cada pessoa faz do seu jeito, e há quem esteja bem sem meditar. Quanto mais atentos ao momento presente, menos ansiosos e angustiados ficaremos com o futuro.

Gratidão virou moda e é mais usada da boca para fora do que para nos instigar a sermos, de fato, gratos. Mas, como sentimento, ela dá uma bela cobertura! Ao cultivá-la, você se desapega da busca infindável por querer se ver numa situação diferente da qual se encontra, o que é fundamental para aproveitar e ser contente em sua jornada.

+Com obras paradas, trecho norte do Rodoanel vira parque para moradores de SP

Continua após a publicidade

Não há, porém, uma vida feliz sem momentos difíceis. É como uma música cheia de diferentes arranjos e notas, mas ainda assim harmoniosa. Se fosse feita somente de momentos alegres, nosso cérebro se habituaria e eles seriam percebidos como banais e perderiam o sabor. É por isso que você precisa aprender a lidar com a tristeza, a frustração e as adversidades.

Por fim, a vida é complexa, e essa complexidade pede mais conhecimento de quem somos, de como a mente funciona. E que, no final do dia, não há uma única receita prática e fácil para ser feliz. Você vai ter de inventar a sua, mas, agora, terá a matéria-prima validada cientificamente para criar uma vida mais feliz.

Claudia é uma mulher branca, magra e de cabelos escuros e curtos. Ela posa para a foto com os braços cruzados e usa um macacão preto.
Claudia Feitosa-Santana é neurocientista, arquiteta e engenheira. Lançou, pela editora Planeta, o livro Eu Controlo Como Me Sinto — Como a Neurociência Pode Ajudar Você a Construir uma Vida Mais Feliz Adriana Vichi/Divulgação

A curadoria dos autores convidados para esta seção é feita por Helena Galante. Para sugerir um tema ou autor, escreva para hgalante@abril.com.br

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 30 de março de 2022, edição nº 2782

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)