Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Arte ao Redor Mostras selecionadas estão reunidas nesta página

Roupa de casamento de Tarsila do Amaral é exibida em exposição online

A mostra A Arte Da Moda- Histórias Criativas é parte da programação digital do centro cultural Farol Santander

Por Tatiane de Assis 13 abr 2021, 21h23

Além de pintora bem sucedida, Tarsila do Amaral (1886-1973) era também referência pelas roupas que vestia. Dentre os estilistas preferidos da artista, estava o francês Paul Poiret (1879-1944), que desenhou o traje que Tarsila usou em seu casamento com o escritor Oswald de Andrade (1890-1954), em 1926. Partes dessa peça, como o corpete e uma capa longa, podem ser vistas na versão online da exposição A Arte da Moda– Histórias Criativas, promovida pelo Farol Santander.

Detalhe, o “combinado” ilustre usado por Tarsila está sob a guarda da Pinacoteca de São Paulo. E mais, é uma releitura, de Poiret, do traje vestido pela sogra de Tarsila, quando do casamento com o pai de Oswald. 

Capa que fazia parte do
Capa que fazia parte do “traje de noiva” de Tarsila do Amaral: inspiração veio da roupa que a sogra, por sua vez, usou outrora, em seu casamento com o pai de Oswald Fifi Tong/Divulgação

Voltando à mostra A Arte aa Moda, ela foi pensada originalmente para o espaço físico do Farol, ocupava dois andares do prédio localizado na Rua João Brícola, na região central. Com as restrições de visitação impostas pela pandemia de Covid-19, a exposição foi forçada a migrar para o espaço digital. Na seleção feita pela curadora gaúcha Giselle Padoin, há 170 itens. São peças originais de vestuário, vídeos e fotografias.

Dentre os estilistas brasileiros contemplados pela mirada de Giselle, está Dener Pamplona (1937-1978), que assinou vestidos para coleção Rhodia, que leva o nome de uma indústria química francesa, que se instalou no Brasil no começo do século 20 e se tornou, mais tarde, produtora de fios sintéticos. Esses itens eram a base dos tecidos utilizados na confecção das roupas que fariam parte da coleção e seriam lançadas em desfiles pomposos.

Considerando agora nomes internacionais, vale destacar a exibição de bolsas originais criadas pela estilista francesa Coco Chanel (1883-1971). “Ela foi fundamental para modernizar a moda. Foi uma das primeiras a entender que no período pós-guerra a mulher estava assumindo um novo papel na sociedade. Ela não produzia roupas glamorosas, como o Poiret. Eram peças confortáveis, com linhas simples, que permitiam uma locomoção sem entraves”, explica Giselle.

Obrigada pela visita! Volte sempre e deixe seu comentário. Aproveite para conferir minhas postagens no Instagram.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês