Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Arte ao Redor Mostras selecionadas estão reunidas nesta página

‘Fotocubismo’, de Vik Muniz, chega à galeria Nara Roesler na quarta (10)

O artista se aproxima do modo de pensar de pintores cubistas e faz releitura de Pablo Picasso, Juan Gris e Georges Braque em nova mostra

Por Tatiane de Assis Atualizado em 5 nov 2021, 14h28 - Publicado em 5 nov 2021, 06h00

O retrato de Vik Muniz, nesta matéria, pode dar a impressão de que o artista paulistano é do tipo fechadão. “Uma vez, um galerista na Itália me disse para sorrir menos, ser sisudo que era cool. Mas não segui o conselho até hoje, porque sou grato ao que vivo e gosto de ser bem- humorado”, diz ele, que tem mais um motivo para seguir nessa linha. Na quarta (10), ele inaugura a exposição Fotocubismo, composta de 22 obras na galeria Nara Roesler, no Jardim Europa.

Foto mostra obra do artista Vik Muniz. Com aspectos cubistas, formas representam três
Obra de Vik Muniz feita a partir da tela Três Músicos (1921), de Pablo Picasso Nara Roesler/Divulgação

“Seria leviano pensar que é somente uma associação direta das palavras fotografia e cubismo. Remeto aqui a uma maneira de pensar desse movimento”, explica ele. Não entendeu muito bem? Tem mais: “Os pintores cubistas surgem também como uma resposta agressiva à imagem fotográfica. É como se eles dissessem que a fotografia (calcada na verossimilhança) não podia ser soberana na tradução de experiências, que, por sua vez, são dinâmicas, com várias perspectivas e muitas ambiguidades”, acrescenta.

Vale entender melhor o processo de produção das obras apresentadas. Muniz refez pinturas assinadas por expoentes do cubismo, Juan Gris (1887-1927), Georges Braque (1882-1963) e Pablo Picasso (1881-1973), autor de Três Músicos (1921). Depois de montados os trabalhos, os refotografou e os manipulou diversas vezes, corta, dobra e fura, em uma espécie de looping. “No fim do século XX, Vik já nos perguntava, com sua produção, sobre o que é real. De alguma forma, ele atuava como um sismógrafo, aparelho que prevê terremotos. Mais de vinte anos depois, falaríamos em pósverdade e nos questionaríamos, por exemplo, se aquela imagem enviada pelo WhatsApp foi ou não manipulada”, aponta a curadora Luisa Duarte, que as sina um dos textos do livro Epistemas, com a produção recente do artista e previsão de lançamento para 8 de dezembro.

Montagem com a capa do livro de Vik Muniz. É toda cinza e na primeira parte tem o nome do artista escrito em caixa alta e branco. Na terceira parte, o escrito
Capa do livro a ser lançado: novidades no fim de 2021 Divulgação/Divulgação

Entender o trabalho de Muniz pela chave da ambiguidade visual pode ajudar nessa viagem. Por exemplo, no filme Lixo Extraordinário (2011) se observa o processo de confecção de retratos por meio de itens advindos da reciclagem e de profissionais que atuam nessa área. Há uma questão social evidente aí? Sim, nessa série, a partir do trabalho coletivo, são mostradas as condições insalubres às quais muitos trabalhadores são submetidos, fruto da disparidade social brutal no Brasil.

Continua após a publicidade

Entra aí também uma lógica do consumo exacerbado, que não se preocupa com o descarte de bens consumidos. Porém há mais coisa. Por exemplo, a cena em que Tião Santos, líder da Associação dos Catadores de Jardim Gramacho, aparece em uma banheira, com os cabelos cobertos por tecido, foi criada a partir de tampinhas de garrafa, caixas. Ali, a imagem dos objetos descartados guarda ambivalências, eles não perdem sua forma, mas passam a integrar algo maior. Aquela não é somente a imagem de um cone. E, seguindo, não é apenas a foto de uma intervenção em que Tião foi retratado, é uma conversa com uma das telas mais importantes da história da arte europeia, A Morte de Marat (1793).

“Não faço obra com chocolate porque é fofo, mas porque cada material demanda um tipo de processo e relações”, detalha o artista, que no dia 18 segue para outra experiência. Vai inaugurar uma galeria de arte na feira de São Joaquim, dita a maior de Salvador. “Meu problema não é o cubo branco em si, mas o fato de exposições serem realizadas, na maioria, em lugares elitistas”, conclui, completando o spoiler: “Vamos mostrar obras do Ernesto Neto”.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA São Paulo de 10 de novembro de 2021, edição nº 2763

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)