Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês
Arte ao Redor Mostras selecionadas estão reunidas nesta página

Artistas brasileiros exibem NFTs na Bienal de Veneza

Eduardo Kac e João Angelini são representados pela galeria Leme e participarão do pavilhão de Camarões

Por Tatiane de Assis Atualizado em 7 fev 2022, 12h00 - Publicado em 2 fev 2022, 17h21

O carioca Eduardo Kac e o brasiliense João Angelini vão apresentar obras de arte digital, com certificação em NFT, na Bienal de Veneza, mais especificamente no pavilhão da República de Camarões, que tem como curadores Paul Emmanuel Loga Mahop e Sandro Orlandi Stagl.

Franco Leme, diretor do braço de NFT da galeria Leme, que representa os dois artistas, contou à VEJA SÃO PAULO com exclusividade que no processo de seleção dos artistas foi enviado um portfólio com dez obras de cada nome do elenco da Leme NFT.

Seleção feita, Angeli e Kac foram escolhidos, mas os curadores não comunicaram ainda quantas obras de cada um serão apresentadas. A única certeza até agora é que um trabalho, de cada um deles, será doado ao pavilhão camaronês.

“É um crivo bastante importante para nós esse do pavilhão de Camarões. Já que a Bienal de Veneza é um evento de grande visibilidade nas artes visuais”, afirma Franco, que é complementado por seu pai, Edu Leme, que toca o braço de obras físicas da galeria: “É um tremendo outdoor.”

MAIS BRASILEIROS NA BIENAL DE VENEZA

O Brasil também conta com um pavilhão na Bienal de Veneza. Nele, serão apresentadas obra do recifense Jhonatas Andrade, com curadoria de Jacopo Crivelli, responsável também pela seleção de artistas da trigésima quarta edição da Bienal de São Paulo, realizada em 2021.

A Bienal de Veneza, o mais antigo e importante evento do mundo desse gênero, também conta com uma disputada mostra principal, curada por Cecilia Alemani.

Continua após a publicidade

Intitulada Leite dos Sonhos, terá participação de outros nomes brasileiros, como Solange Pessoa, Luiz Roque, Lenora de Barros, Rosana Paulinho e Jaider Esbell (1979-2021).

Paulino e Esbell são expoentes de um movimento crescente de reivindicação de maior participação das populações negras e indígenas nas artes visuais. A ausência de Paulino na última Bienal de São Paulo, vale dizer, causou estranhamento no meio.

Esbell, diferentemente e ainda bem, teve uma participação importantíssima na última Bienal, junto a outro expoente da arte indígena, a artista Daiara Tukano.

Obrigada pela visita. Saiba mais sobre a cena de artes visuais também no meu perfil no Instagram

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês