Imagem Blog

Arte ao Redor

Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Uma curadoria de exposições, cursos e novidades dos museus, galerias e institutos culturais de São Paulo
Continua após publicidade

Artista paranaense expõe peças de crochê no Anexo da Galeria Millan

Mostra também reúne desenhos e esculturas em cerâmica e vidro, demonstrando a multiplicidade de materiais com os quais Lidia Lisbôa trabalha

Por Tatiane de Assis Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
4 fev 2022, 06h00

A mostra individual Acordelados, no Anexo da Galeria Millan, traz esculturas, desenhos e peças em cerâmica e vidro da artista paranaense Lidia Lisbôa. A curadoria foi assinada por Thiago de Paula e Souza, parte do trio à frente da Trienal de Artes em Sorocaba, que ficou em cartaz até o fim de janeiro. Quando o visitante entra na exposição, as três obras que primeiro vê são as peças de crochê da série Tetas que Deram de Mamar ao Mundo (2021), elaboradas com retalhos de tecidos.

+Victor Fasano tira a sunga em vídeo nos Lençóis Maranhenses

Lidia começou a fazer crochê na infância, com as tias, em Guaíra, no extremo oeste do Paraná. “Aprendi de olhar”, relembra ela, que consegue com essas tramas gigantes — cada uma tem mais de 3 metros de altura — criar um encantamento. Um deslumbre como aquele no avião, quando passeamos pelas nuvens e temos a impressão de ter a mínima ideia da textura do céu. Quando você deixa de se impressionar com o tamanho das obras, começa a reparar o toque de cada tira ali usada. A paleta norteada por cores claras também é desmembrada e, de repente, seu olhar é atraído por um pedacinho de pano marrom, bem clarinho mas vibrante.

A artista Lidia Lisbôa.
Lidia Lisbôa. (Felipe Berndt/Divulgação)
Desenho em papel mostra riscos pretos que simulam tramas de tecidos.
Desenho “Memórias de Rendas 4” (2021). (Felipe Berndt/Divulgação)

 

Peça de cerâmica marrom que lembra um cupinzeiro.
Peça de cerâmica da série “Cupinzeiros”. (Ana Pigosso/Divulgação)

+Don L, Artista do Ano pela APCA: “Eu sempre fui um cara não pertencente”

Lidia também apresenta peças de cerâmica, parte da série Cupinzeiros, e desenhos, como Memórias de Rendas 4 (2021). “Faço crochê, daí pulo para a cerâmica. Depois, pinto, arrumo a casa e volto para o crochê, não tem uma ordem. É tudo muito natural”, explica a artista, que tem sua fala em sintonia com a do curador: “o que a gente tentou na exposição foi fixar o gesto que norteia a produção artística da Lidia. É a corda, é o ‘acordelar’ diferentes materiais. Isso pode ser visto no crochê, mas também está na série Cupinzeiros, em que ela vai sobrepondo cordões de argila. Também é possível notar esse raciocínio na união das miçangas no grande fio do trabalho Cordão Umbilical (2021)”.

Continua após a publicidade

Anexo Millan. Rua Fradique Coutinho, 1360, Vila Madalena, ☎ 3031-6007. ♿ Seg. a sex., 10h/19h. Sáb., 11h/ 15h. Grátis. Até 19/2. galeriamillan.com.br.

+Assine a Vejinha a partir de 12,90. 

Publicado em VEJA São Paulo de 9 de fevereiro de 2022, edição nº 2775

Continua após a publicidade
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.