Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Vereador Thammy Miranda deixa PL após filiação de Bolsonaro ao partido

Em vídeo, político disse ter "ideias diferentes" das do presidente Jair Bolsonaro e que continuará fazendo seu trabalho independentemente de partido

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 1 dez 2021, 15h48 - Publicado em 1 dez 2021, 15h47

O vereador Thammy Miranda, eleito pelo Partido Liberal (PL) em São Paulo, afirmou que deixará o partido após a filiação do presidente Jair Bolsonaro.

“Com a ida do presidente para o Partido Liberal, eu estou dando entrada na minha desfiliação, eu vou sair do partido. Temos ideias diferentes, já sofri ataques pessoais de membros da família do presidente, inclusive, contra o meu filho quando ele era um recém-nascido”, alegou o vereador em um vídeo postado em suas redes sociais.

Ainda segundo Thammy, seu trabalho é representar as pessoas, o que ele continuará fazendo sem se preocupar com partido.

+ Milton Leite assume a prefeitura até sábado (4) por viagem de Nunes

Bolsonaro se filiou ao PL na manhã de terça-feira (30), em cerimônia realizada na sede do partido em Brasília. O presidente da sigla, Valdemar Costa Neto, e outros integrantes do governo estavam presentes.

O vereador já sofreu ataques de membros da família Bolsonaro algumas vezes. Em janeiro de 2020, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos – RJ), um dos filhos do presidente, publicou em seu Twitter duas fotos de Thammy ao lado da esposa, Andressa Ferreira, e do filho então recém-nascido do casal, sem nenhuma legenda ou comentário. A postagem gerou desconfiança em Thammy, que exigiu explicação ao vereador.

Ainda em 2020, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL) criticou a empresa Natura por campanha publicitária com Thammy Miranda para o Dia dos Pais.

Continua após a publicidade

+ Bruno Covas é homenageado com título póstumo de Cidadão Paulistano

“Mulher como garoto propaganda do Dia dos Pais. Depois homem para o Dia das Mães… E quem falar o contrário já sabe né, é gado, é pessoa raivosa, discurso de ódio e fake news. Assim vão te calando e empurrando goela abaixo uma conduta totalmente atípica para padrões brasileiros”, disse.

Além de Thammy Miranda, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Marcelo Ramos (PL-AM), afirmou que a filiação do presidente Jair Bolsonaro à sigla torna sua presença incompatível. 

Tenho uma divergência com a forma de governar do presidente Bolsonaro e por isso não me permito – e isso é inegociável – estar no palanque dele. Ele não será o meu candidato à presidência da República”, disse o parlamentar em entrevista ao UOL News

+Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Continua após a publicidade

Publicidade