Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Universidade rebate internauta: “Não estamos lhe dando a nossa opinião”

Bate-boca no Facebook teve relação com os cortes de orçamento na educação

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 9 Maio 2019, 16h32 - Publicado em 9 Maio 2019, 16h30

O perfil oficial da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) no Facebook publicou, na última segunda-feira (6), uma matéria em que divulga o bloqueio de mais de 60 milhões de reais nos recursos da entidade. A medida faz parte dos cortes anunciados pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Educação Abraham Weintraub.

Reprodução/Veja SP

Muitos internautas comentaram a publicação questionando os gastos da instituição, que respondeu na própria postagem.

Pricila Mazzucco afirmou que a maioria dos alunos da entidade “são filhinhos de papai”. Ao que a universidade rebateu: “58% dos alunos da nossa universidade possuem renda familiar per capta de até 1,5 salário mínimo.

A moça ainda insistiu dizendo que não conhecia “pessoas com essa renda”, mas a UFSC rebateu. “Não estamos lhe dando a nossa opinião, estamos apresentando os dados socioeconômicos dos nossos alunos.”

Confira a conversa abaixo:

Reprodução/Veja SP
Reprodução/Veja SP
Reprodução/Veja SP

Por aqui, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) também sentiu o baque. Ao todo, mais de 30% do orçamento da instituição foi cortado, o que deve atingir desde as pesquisas de extensão até o operacional da universidade, como água, luz e funcionários.

Continua após a publicidade
Publicidade