Continua após publicidade

“Uber de caminhões” de coleta de resíduos de obras dobra faturamento

Empresa criada em 2020 surfa na onda do crescimento vertiginoso do mercado imobiliário paulistano

Por Redação VEJA São Paulo Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 ago 2023, 17h16 - Publicado em 2 ago 2023, 17h11

Criada em 2020 para atender à crescente demanda de resíduos de obras gerados pelo boom imobiliário, a LandApp, uma startup do setor de logística da construção civil, mais do que dobrou o faturamento nos últimos anos. Funcionando como uma espécie de “Uber de caminhões”, ela conecta caminhoneiros a responsáveis por obras interessados em descartar de forma correta os resíduos. Em alguns casos os entulhos podem ser até reaproveitados.

+Praças ganham contêineres para garrafas de cerveja e vinho vazias

Atualmente a base de motoristas cadastrados na capital é de 725 profissionais. Destes, 80,5% (584) já fizeram ao menos uma viagem. Até agora já foram coletadas 33 600 caçambas de entulho. Do total recolhido, 168 000 metros cúbicos foram reaproveitados e usados em terraplanagem de outras obras.

A LandApp, criada pelos irmãos Mayara e Matheus Protti, mais do que dobrou o faturamento entre os anos de 2021 e 2022, passando de 6,7 milhões de reais para 14,5 milhões.  Como o mercado imobiliário continua aquecido, a tendência é de um crescimento ainda maior para este ano e um faturamento de 23 milhões de reais.

Continua após a publicidade

+Latam e Delta se unem para criar voo direto de Guarulhos para Los Angeles

Como fuciona

Num esquema parecido com os aplicativos de transporte, o responsável por uma obra civil cadastra o tipo e a quantidade de resíduo que quer se livrar. O aplicativo irá calcular quantos caminhoneiros autônomos são necessários para levar a carga e também os aterros ou obras de terraplanagem que receberão o material.

Continua após a publicidade

O motorista verifica as opções disponíveis e decide se aceita ou não o serviço. Todo o trajeto pode ser acompanhado pelo aplicativo. O descarte correto é previsto em lei, e, mesmo que contrate uma empresa terceirizada ou um autônomo, cabe ao responsável pelo empreendimento a destinação para um local ambientalmente correto.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Domine o fato. Confie na fonte.
10 grandes marcas em uma única assinatura digital
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de 49,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.