Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

MP pede suspensão de obras de galpão de lixo em bairro residencial após reportagem da Vejinha

Promotoria identificou riscos em empreendimento que poderá levar 2000 toneladas de resíduos por dia para a Zona Oeste

Por Guilherme Queiroz Atualizado em 7 out 2021, 21h07 - Publicado em 7 out 2021, 21h01

O Ministério Público de São Paulo (MPSP) solicitou à Justiça de São Paulo a suspensão das obras em um terreno na Zona Oeste da capital paulista que deve receber uma Estação de Transbordo de lixo domiciliar.

Se construído, o local deverá receber 2 000 toneladas de resíduos por dia. Servirá para o transbordo desse material, ou seja, a passagem do lixo coletado nas ruas para caminhões maiores. A empresa Loga, responsável pela coleta de lixo em cerca de 50% dos endereços da capital, teve o aval da prefeitura e da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) para o início das obras na Vila Jaguara, em um terreno que é vizinho de 56 domicílios.

O pedido da Promotoria de Meio Ambiente do MP-SP ocorreu após a publicação de uma reportagem da Vejinha sobre o tema em setembro. Na ocasião, procurado reiteradas vezes, o Ministério Público não se posicionou sobre o caso. Os moradores temem o surgimento de ratos, baratas e pombos, além de possível mau cheiro e desvalorização imobiliária em decorrência da estação de transbordo.

No pedido de liminar da ação civil Pública na Justiça, o promotor Luis Roberto Proença pede a paralisação das obras por parte da Loga, sob multa diária de 100 000 reais em caso de descumprimento. O promotor pede também a suspensão do licenciamento ambiental da Cetesb que deu aval para a Estação de Transbordo. Caso a ação seja julgada procedente, o MP pede ainda que os alvarás emitidos pela prefeitura de São Paulo sejam anulados.

Na ação, o promotor cita laudos do Centro de Apoio Operacional à Execução, braço do MP, que identificaram contaminantes no solo e na água subterrânea do local. E diz que a Cetesb aprovou um projeto “sem fundamento em qualquer Plano de Intervenção da área contaminada”.

O “inquérito civil instaurado pela Promotoria apontou que a implantação do empreendimento realmente traria prejuízos significativos ao meio ambiente, à ordem urbanística e à qualidade de vida da população vizinha”, diz Proença.

Continua após a publicidade

A Loga afirmou para a Vejinha, na reportagem publicada anteriormente, que a área contaminada do terreno fica em uma região diferente de onde será construída a estação de Transbordo. A prefeitura, por sua vez, disse que o risco de mau cheiro era pequeno porque as estações do tipo são “equipamentos modernos, com operação em ambiente totalmente fechado, sistema de pressão negativa e filtragem do ar”.

A respeito do risco de surgirem ratos e baratas, a Cetesb, órgão estadual que também aprovou a obra, afirma que o programa de controle de vetores apresentado pela Loga foi “considerado satisfatório”.

 

 

Continua após a publicidade

Publicidade