Clique e assine por apenas 6,90/mês

Polícia fecha casas de jogos de azar ilegais e prende 22 pessoas

VEJA SÃO PAULO mostrou em 2016 como funcionava o negócio clandestino; parte dos estabelecimentos citados na reportagem foram emparedados

Por Catherine Barros, Sérgio Quintella - Atualizado em 6 Jul 2017, 16h10 - Publicado em 6 Jul 2017, 15h31

Nesta quarta-feira (5), a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP–SP) e o Ministério Público (MP) iniciaram a primeira fase da Operação Jericó. Com o intuito de investigar policiais civis e militares envolvidos em esquemas com casas de jogos de azar clandestinas, cerca de 300 agentes cumpriram 100 mandados de busca e apreensão e 22 de prisão temporária.

A ação teve como resultado a prisão de 22 pessoas, sendo quatro policiais civis – dois investigadores e dois escrivães – e oito policiais militares, um deles aposentado. Além disso, houve a fiscalização de 55 locais e a apreensão de 652 máquinas de jogos de azar, 31 celulares, 181 CPUs e 18 000 reais. 

Foram fiscalizados 55 pontos, entre bingos clandestinos, pontos de comércios e residências Ministério Público de São Paulo / Reprodução/Veja SP

A investigação começou há um ano, quando as primeiras informações sobre os esquemas de propina entre servidores públicos e policiais com donos de casas de jogos de azar aconteciam para que os estabelecimentos continuassem a funcionar.

Em novembro do ano passado, VEJA SÃO PAULO fez uma reportagem mostrando o circuito da jogatina ilegal em São Paulo. Dois dos endereços fechados na última quarta, localizadas na Avenida Liberdade, no centro, haviam sido alvo da matéria.

Continua após a publicidade

Apesar da denúncia, os estabelecimentos continuaram abertos. “Agora vamos fazer fiscalizações semanais e não permitiremos que esses locais voltem a funcionar”, promete o prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak, que mandou emparedar as entradas das casas.

A foto abaixo ilustrou a capa da revista em 9 de novembro de 2016:

BINGOS

As cerca de 150 máquinas que estavam nas casas foram destruídas nos próprios locais.

Divulgação/Veja SP
Divulgação/Veja SP
Publicidade