Clique e assine com até 89% de desconto

“Se Mion for homofóbico, eu sou lésbica”, diz transexual Nany People

A artista comenta o processo que uma ONG move contra o apresentador do “Legendários”

Por Alvaro Leme Atualizado em 5 dez 2016, 18h03 - Publicado em 31 Maio 2011, 14h55

O mundo amanheceu caindo nesta terça, segundo a artista transexual Nany People. “Meu telefone não parou”, conta ela, que involuntariamente tornou-se o motivo de um processo por homofobia contra o apresentador Marcos Mion e contra a Rede Record.

Nota publicada hoje pela colunista Mônica Bergamo, na “Folha de S. Paulo”, informa que entidades do movimento gay sentiram-se ofendidas por Mion. Durante participação de Nany no “Legendários”, programa comandado por ele, o apresentador disse que ela “tem surpresinha” e perguntou “o que ela faz com o pacote” na hora do banho.

Nany comenta o caso na entrevista a seguir.

VEJA SÃO PAULO — Qual é sua participação nesse processo?

Nany People — Nenhuma. Não sei que ONG resolveu entrar na Justiça, muito menos a natureza do processo. O mundo amanheceu caindo hoje, com todo mundo querendo saber sobre esse caso do Mion.

Continua após a publicidade

+ Marcha das Vagabundas chega sábado a São Paulo

+ Ricardo Macchi em guerra contra o Pânico
+ Em vídeo: O Retorno de Valdirene


VEJA SÃO PAULO — Você se sentiu ofendida com as coisas que ele falou?
Nany People —
Quando saí do “A Fazenda” e vi algumas brincadeiras do Mion no “Legendários”, pensei que talvez ele tivesse sido um pouquinho pesado. Mas depois vi que era humor e que ele fazia graça com todo mundo. Se ele também falava da bunda da Mulher Melancia e chamava a Ana Carolina de Roberta Close, por que iria pisar em ovos comigo? Não me senti nem um pouco ofendida, ultrajada ou segregada.

+ Os tipos mais engraçados do Twitter
+ Agnaldo Timóteo fala sobre experiências gays

VEJA SÃO PAULO — O que acha do processo?
Nany People —
Que é um grande mal entendido. Considero Mion um amigo, sei que é pai de família bem resolvido com a sexualidade dele, tanto que na minha época na revista “G” aceitou me receber e dar entrevista sem pestanejar. Já fez peça vestido de mulher e, quando fui ao “Legendários”, ele e a equipe inteira se montaram de Nany.

VEJA SÃO PAULO — Você acha que Mion é homofóbico?
Nany People —
Se ele for homofóbico, eu sou lésbica. É muito complicado tachar alguém de homofóbico, porque isso coloca uma tarja preta em cima da pessoa. Em função do politicamente correto, a humanidade está deixando de viver muita coisa. Daqui a pouco vão querer que a gente reze Pai Nosso e Ave-Maria para fazer humor.

Continua após a publicidade
Publicidade