Clique e assine por apenas 6,90/mês

Moradores de Paraty agendam protesto contra Glenn Greenwald na Flip

Jornalista virou alvo de militantes de direita após publicar diálogos entre Moro e procuradores da Lava Jato

Por Redação VEJA São Paulo - 11 Jul 2019, 15h47

Moradores de Paraty, no Rio de Janeiro, organizam um protesto contra o jornalista Glenn Greenwald nesta sexta-feira (12) às 17h, na Praça do Chafariz. A participação do americano na programação paralela da Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), a Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei), desagradou parte da população local.

Divulgado através de redes sociais, o ato promete ser apartidário e tem como objetivo defender a Lava Jato e o ministro da Justiça Sérgio Moro. Greenwald, que comanda o site The Intercept, tem publicado conversas (algumas em parceria com VEJA) entre Moro e os procuradores da operação, que indicam uma colaboração além do permitido entre as partes.

Um texto, que circula na internet, traz a convocatória aos moradores do município histórico: “Convocamos todos os paratienses honestos, trabalhadores desta cidade independente de partido ou opção política, a participar da manifestação que será realizada na próxima sexta feira 12/7 às 17hs na praça do Chafariz em repúdio à presença do jornalista Glenn Greenwald.

Não aceitaremos bandidos corruptos em nossa cidade sendo tratados como herói. Nosso herói é o juiz e ministro Sérgio Moro que vem combatendo o maior esquema de corrupção do Brasil e do mundo! Aproveitamos para expor nossa indignação a esse apoio dado pela Flip.

Continua após a publicidade

Pedimos às nossas autoridades da cidade de Paraty que não permitam mais tal atitude. Não queremos eventos políticos misturados com as festas da cidade. Basta! Pedimos também que não venham com camisetas e bandeiras políticas dos candidatos a Prefeito de Paraty. Essa manifestação é a favor da ordem e progresso. Ao nosso BRASIL“, diz a mensagem.

A Flip, que não tem responsabilidade sobre a programação da Flipei, afirma em comunicado que “não se vê no papel de desautorizar manifestações que por ventura ocorram no seu território, contanto que as mesmas não contenham teor ofensivo ou discriminatório”.

À Folha de S. Paulo, Cauê Ameni, um dos responsáveis pela “programação pirata” da Flipei, disse que escolheu Glenn “porque ele é o jornalista mais importante do mundo hoje. Ele está mostrando com provas a face de um processo que todos suspeitavam que vinha acontecendo.”

Moradores de Paraty convocaram o protesto nas redes sociais, confira:

Continua após a publicidade

 

Publicidade