Promotor César Martins fecha o cerco a grandes blocos do Carnaval

Ele ameaça deixar a Faria Lima de fora da folia do ano que vem e ouve críticas de que exagera na dose

Desde que o Carnaval de rua se consolidou na capital, há cerca de cinco anos, quase nenhuma decisão sobre a movimentação de trios elétricos ocorre sem a participação de César Ricardo Martins, promotor de Habitação e Urbanismo do Ministério Público (MP). Neste ano, ele estabeleceu oito exigências que os megablocos, responsáveis por arrastar mais de 100 000 pessoas, devem respeitar. A cartilha inclui a contratação de empresas de segurança registradas na Polícia Federal e a divulgação de CNPJ e composição societária das organizadoras das festas. Essa determinação criou grande impacto na agenda da folia, pois alguns cordões não conseguiram se adaptar.

É o caso do Ma-quebloco, fundado em 2014 por ex-alunos do Mackenzie, que levou 500 000 pessoas à Avenida Brigadeiro Faria Lima em 2018. Os ajustes às novas regras dobrariam o orçamento inicial do bloco, de 60 000 reais. Entre os custos extras estariam 10 000 reais para contratar mais vinte seguranças, além dos sessenta programados. Com isso, o desfile foi cancelado. “Vamos nos adequar para voltar em 2020”, afirma Alex Barone, um dos fundadores.

Outra medida adotada por Martins neste ano foi o veto à passagem de blocos na Avenida 23 de Maio, local que recebeu milhões de pessoas em 2018. “No ano passado, o Carnaval deveria ter se limitado a um sentido da via, o que não ocorreu”, explica, para justificar a decisão. “Além disso, houve muita aglomeração sobre os viadutos.” Após sete reuniões com os responsáveis pelos cordões e associações de moradores, o promotor indicou as avenidas Tiradentes, no centro, e Marquês de São Vicente, na Barra Funda, para abrigar a festa em 2019. Ambas foram acatadas pela prefeitura e entraram no calendário oficial.

Sargento Pimenta, na Faria Lima, no sábado (23): local sob análise

Sargento Pimenta, na Faria Lima, no sábado (23): local sob análise (GUILHERME RODRIGUES/Estadão Conteúdo)

Mas um dos principais focos de Martins no Carnaval de 2019 é a Avenida Brigadeiro Faria Lima, onde limitou o número de blocos e proibiu a instalação de rodas-gigantes, como ocorreu no ano passado na região do Largo da Batata. Desfiles muito próximos uns dos outros também foram descartados. “Se não funcionar, a cidade terá de encontrar outro lugar para o Carnaval”, diz. Ele ainda recomendou que a Avenida Paulista não fosse aberta a pedestres no último domingo (24), ao contrário do que geralmente acontece nesse dia da semana. O objetivo foi compensar o fechamento de várias outras vias pela cidade no fim de semana de pré-Carnaval.

Um dos episódios mais marcantes da trajetória de Martins ocorreu após as confusões registradas na Vila Madalena durante o Carnaval de 2015. Nessa época, ele resolveu restringir a circulação de pessoas em alguns quarteirões, com a colocação de barreiras, e decretou o fim de grandes eventos no local. As medidas vigoram até hoje. “O que havia por ali era uma grande falta de coordenação entre várias esferas do poder público, como a Companhia de Engenharia de Tráfego e a Polícia Militar”, afirma. Um suposto excesso de interferência do promotor por causa dessas decisões tem encontrado resistência dentro da administração municipal. “Se ele quer determinar até o trajeto dos trios elétricos, deve sentar-se na cadeira do prefeito”, diz um membro do alto escalão do Edifício Matarazzo.

Formado em direito pela Universidade de São Paulo (USP) em 1990, César Martins tem 50 anos, é casado e pai de dois filhos. Entrou no MP em 1991 e chegou à Promotoria da Habitação e Urbanismo em 2015, após atuar nas áreas do meio ambiente e criminal. Em 2016 já havia provocado polêmica ao proibir eventos no Minhocão. Apesar da proximidade com os temas ligados ao Carnaval, ele se manterá bem afastado da folia neste feriadão. “Vou viajar e na volta vejo se deu tudo certo”, diz. Em abril, Martins tem reunião marcada com a prefeitura para realizar um balanço da festa. Depois disso, mais regras podem pintar por aí.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 06 de março de 2019, edição nº 2624.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s